Casa Branca: Anúncio da NRA com filhas de Obama “repugnante”

Lúcia Guimarães

16 de janeiro de 2013 | 15h47

Vídeo da NRA

Horas antes de Barack Obama assinar um pacote de medidas para combater a violência por armas de fogo, a National Rifle Association, o poderoso lobby americano  das armas, acusou o Presidente de hipocrisia elitista e colocou Sasha e Malia Obama na mira de seu ataque. O anúncio acusa Obama de ter o Serviço Secreto à disposição para proteger suas filhas e de não querer seguranca para as crianças dos cidadãos comuns. O anúncio gerou polêmica e quebra um protocolo que mantém filhos menores de presidentes fora do debate público. O porta-voz da Casa Branca classificou o anúncio de repugnante e “uma covardia”.

O plano de Obama, anunciado um mês depois do massacre da escola de Newtown, Connecticut, que deixou 20 crianças e 7 adultos mortos, inclui medidas como a volta da proibição das armas de assalto, limite de munição para 10 balas, investigação de antecedentes para qualquer comprador de armas de fogo e maior coordenação de vários bancos de dados sobre proprietários de armas.

O Presidente admitiu que vai ser difícil passar as medidas no Congresso, onde a câmara é controlada por republicanos e pediu ao público que se manifeste junto aos representantes dos legislativos federal, estadual e local.

(Lucia.Guimaraes@estadao.com.br)

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

armas de fogolobbyNewtownNRAObama

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.