Líder do Senado reduz recesso e aperta cronograma da campanha democrata nos EUA
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Líder do Senado reduz recesso e aperta cronograma da campanha democrata nos EUA

Decisão afeta principalmente o Partido Democrata, que atualmente tem 47 assentos no Senado, 4 a menos que os republicanos, que compõem a maioria com 51 cadeiras

Redação Internacional

05 Junho 2018 | 17h24

O líder da maioria republicana no Senado americano, Mitch McConnell, decidiu, nesta terça-feira, 5, encurtar o tradicional recesso de agosto na Casa de quatro semanas para apenas uma.

O líder republicano no Senado, Mitch McConnell. Foto: AP Photo/J. Scott Applewhite

“Devido à obstrução histórica pelos senadores democratas dos indicados do presidente, e o objetivo de passar as contas de orçamento antes do fim do ano fiscal, o recesso de agosto foi cancelado”, afirmou McConnell em comunicado. Já a Câmara dos Deputados não se manifestou a respeito de mudanças no recesso.

+ Congresso dos EUA fecha acordo para evitar paralisia do governo

O líder republicano vinha sofrendo pressão dos conservadores para diminuir o recesso. Senadores do partido afirmam que há 278 indicados pelo presidente para ocupar postos no governo que dependem da aprovação do Congresso.

Em ano de eleições de meio de mandato, a alteração reduz o período de campanha dos senadores em seus Estados de origem. Em novembro, os americanos irão às urnas para renovar a Câmara dos Deputados e um terço do Senado.

A decisão afeta principalmente o Partido Democrata, que atualmente tem 47 assentos no Senado, 4 a menos que os republicanos, que compõem a maioria com 51 cadeiras. Os democratas têm, agora, um desafio pela frente: ficar em Washington e perder tempo de campanha em seus redutos eleitorais ou ir para seus Estados e enfrentar críticas por abandonar as responsabilidades políticas.

A situação do partido é complicada porque, das 34 cadeiras na eleição, 26 são ocupadas por democratas. Uma pesquisa de intenção de votos realizada pelo jornal Washington Post e a ABC News em abril revelou que 47% dos eleitores preferem candidatos democratas, enquanto 43% preferem republicanos. A diferença, no entanto, diminuiu desde o começo do ano.