O peso da burocracia: excesso de papelada estatal impede voo de decolar nos EUA
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O peso da burocracia: excesso de papelada estatal impede voo de decolar nos EUA

Avião que seguiria de Washington para Los Angeles só pôde voar depois de retirar mais de 600kg de seu compartimento de bagagem do que o piloto disse ser 'documentos do governo'; porta-voz da American Airlines confirma atraso, mas não o conteúdo da carga

Redação Internacional

09 Agosto 2018 | 14h25

WASHINGTON – Às vezes, o excesso de burocracia dos governos dificulta o acesso a serviços e direitos e sobrecarrega seus cidadãos. Recentemente nos Estados Unidos, no entanto, o peso do governo, literalmente, foi além e impediu um avião de decolar.

O caso aconteceu no começo desta semana, quando o voo 163 da American Airlines, que faria a rota da capital, Washington, para Los Angeles, na Califórnia, foi atrasado em cerca de maia hora em razão dos mais de 630 kg de “documentos do governo” que estavam em seu compartimento de carga, segundo o comandante do voo.

Excesso de carga, supostamente de papelada do governo, teria impedido decolagem de avião da American Airlines nesta semana (REUTERS/Frank Polich)

Excesso de carga, supostamente de papelada do governo, teria impedido decolagem de avião da American Airlines nesta semana (REUTERS/Frank Polich)

A aeronave só recebeu autorização para deixar o Aeroporto Nacional Ronald Reagan depois que a carga foi toda descarregada. Parece piada, mas especialistas dizem que a história não poderia ter acontecido em lugar mais apropriado nos EUA, já que o excesso de documentos é uma realidade do dia a dia da capital americana.

Robert Hernandez, professor de Universidade do Sul da Califórnia, estava a bordo da aeronave e disse que sua reação não foi outra além de gargalhar ao ouvir a explicação do piloto para o atraso na decolagem.

“Não sei se o piloto estava brincando ou não, mas de fato estávamos com sobrepeso no avião”, afirmou Hernandez, que estava em Washington para uma conferência acadêmica de jornalismo.

Ele aproveitou a situação para ironizar e dizer que talvez o excesso de papéis a bordo do avião tivesse relação com a investigação conduzida pelo promotor especial Robert Mueller sobre a suposta interferência russa na eleição presidencial de 2016, que já acumula mais de 1 milhão de páginas de documentos desde que começou, no ano passado, de acordo com alguns relatos.

Matthew Miller, porta-voz da American Airlines, confirmou ao Washington Post que na segunda-feira um voo da companhia atrasou cerca de 30 minutos no aeroporto da capital americana e que a empresa removeu uma carga de 635kg.

Ele disse não ter certeza que se trava de documentos do governo americano e que o comentário do capitão da aeronave pode ter sido feito em tom de brincadeira.

O porta-voz ressaltou, no entanto, que a American Airlines tem um contrato com os Serviço Postal dos EUA para transportar correspondências, portanto, é possível que parte desse peso fosse de encomendas com destino na Costa Oeste.

Miller também explicou que foi necessário reduzir o peso no compartimento de bagagem do avião, um Boeing 737-800, por conta de restrições relacionadas às condições climáticas. / THE WASHINGTON POST

Mais conteúdo sobre:

WashingtonburocraciaDonald Trump