Para Entender: Por que a Califórnia tem tantos incêndios florestais?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Para Entender: Por que a Califórnia tem tantos incêndios florestais?

Especialistas ouvidos pelo jornal 'The New York Times' apontam o clima (e a mudança climática), a ação humana, a política de contenção de incêndios e os ventos como as principais causas para as enormes chamas que atingem a região anualmente

Redação Internacional

13 Novembro 2018 | 12h05

LOS ANGELES – Todos os anos, o Estado americano da Califórnia é atingido por amplos incêndios florestais, que causam enorme destruição, e colocam em risco a vida de centenas de milhares de pessoas.

Em 2018, ao menos 42 pessoas já morreram em razão das chamas que atingem a região, o que torna o Camp Fire o incêndio florestal mais mortífero da história do Estado.

Equipe aérea combate as chamas ao longo da rodovia Ronald Reagan (118), em Simi Valley, na Califórnia (AP Photo/Ringo H.W. Chiu)

Equipe aérea combate as chamas ao longo da rodovia Ronald Reagan (118), em Simi Valley, na Califórnia (AP Photo/Ringo H.W. Chiu)

Conheça quatro fatores que explicam a suscetibilidade da Califórnia a estes eventos:

– O clima (em mudança)

O principal motivo é a mudança no clima da Califórnia. “Fogo, de certa maneira, é uma coisa muito simples”, diz Park Williams bioclimatologista do Observatório Terrestre Lamont-Doherty na Universidade Columbia. “Enquanto as coisas estiverem secas o suficiente e houver uma faísca, essas coisas vão queimar.”

A Califórnia, assim como grande parte do Oeste americano, é muito mais úmida no outono e inverno. No verão, a vegetação da região seca lentamente por causa da falta de chuvas e das temperaturas elevadas e, então, se torna combustível para os grandes incêndios.

Embora o clima da Califórnia sempre tenha sido propenso às chamas, a ligação entre a mudança climática e incêndios de grande proporção é inextricável. “Por trás de tudo isso, temos as temperaturas que estão cerca de 0,5 graus Celsius acima do que ela poderiam estar sem os efeitos do aquecimento global”, diz Williams.

O recorde de incêndios na Califórnia remonta a 1932. Dos dez maiores casos desde estão, nove aconteceram desde 2000; cinco desde 2010; e dois apenas neste ano. “A natureza cria as condições perfeitas para o fogo, desde que as pessoas estejam lá para iniciar os incêndios”, aponta.

– Pessoas

Ainda que as condições climáticas favoreçam os incêndios na Califórnia, é preciso que algo ou alguém os inicie. Algumas vezes, isso é feito pela própria natureza – com um raio, por exemplo -, mas é muito mais comum que os humanos sejam os responsáveis.

“Muitos destes grandes incêndios que vemos destruindo o sul da Califórnia e impactando áreas nas quais as pessoas moram são causados por humanos”, diz Nina Oakley, professora de ciência atmosférica no Instituto de Pesquisa do Deserto

Incêndios no condado de Sonoma e em seus arredores, no ano passado, foram causados por cabos soltos de linhas de transmissão de energia. Neste ano, o Carr Fire, o sexto maior incêndio da história, começou depois de o pneu de um caminhão estourar e o contato da roda com o asfalto causar faíscas que atingiram a vegetação.

Outra forma de as pessoas contribuírem para os grandes incêndios é na escolha dos lugares em que vivem. Muitos estão se mudando para áreas perto de florestas, que são mais propensas a este tipo de incidente.

– Contenção do incêndios

Pode parecer contraintuitivo, mas o histórico dos Estados Unidos de suprimir os incêndios florestais fez com que eles piorassem atualmente.

“A cada vez que combatemos incêndios com sucesso, também evitamos que muitas coisas que seriam queimadas não o sejam. Essa dinâmica, repetida ao longo de centenas de anos, fez com que houvesse um acúmulo de plantas em muitas áreas”, diz o doutor Williams.

Recentemente, o Serviço Florestal dos Estados Unidos tentou corrigir a prática anterior através do uso de queimaduras prescritas ou “controladas”.

– Os ventos de Santa Ana

A cada outono, fortes rajadas conhecidas como ventos de Santa Ana trazem ar seco da região da Grande Bacia do oeste para o sul da Califórnia, disse Fengpeng Sun, professor assistente no Departamento de Geociências da Universidade do Missouri-Kansas City.

Sun é coautor de um estudo de 2015 que sugere que a Califórnia tem duas estações de fogo distintas. Uma delas vai de junho a setembro e é impulsionada por uma combinação de clima mais quente e seco – é a estação do incêndios que a maioria das pessoas associa, cujas chamas tendem a ser em áreas mais isoladas e em florestas de maior altitude.

Os especialistas também identificaram uma segunda temporada de incêndios que vai de outubro a abril e é impulsionada pelos ventos de Santa Ana. Esses incêndios tendem a se espalhar três vezes mais rápido e acontecer mais perto de áreas urbanas. Eles foram responsáveis por 80% das perdas econômicas ao longo de duas décadas desde 1990.

Além de secar a vegetação, os ventos de Santa Ana também movem brasas, espalhando incêndios. / NYT