Projeto de Hillary Clinton e Spielberg conta na TV história do voto feminino
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Projeto de Hillary Clinton e Spielberg conta na TV história do voto feminino

Projeto marca estreia da democrata, ex-primeira-dama dos EUA e ex-candidata à Casa Branca, como produtora de TV

Redação Internacional

01 Agosto 2018 | 19h20

LOS ANGELES – Hillary Clinton está adicionando mais uma habilidade ao seu currículo: o de produtora de televisão.

Ainda como primeira-dama dos EUA em 1998, Hillary e Clinton passam fim de semana com Steven Spielberg e sua família em Long Island. Foto: Rick Wilking/REUTERS

A candidata presidencial derrotada na eleição americana de 2016 disse nesta quarta-feira, 1º, que está trabalhando com o diretor Steven Spielberg para levar à TV um livro sobre a luta das mulheres pelo direito de votar nos EUA.

“Estou empolgada por unir forças a Steven Spielberg e levar o livro The Woman’s Hour, de @efweiss5, à TV”, disse ela em sua conta de Twitter em referência à autora Elaine Weiss.

“Ele trata das mulheres que lutaram pelo sufrágio quase 100 anos atrás. Nós nos erguemos sobre seus ombros, e estou empolgada por dar uma mão para ajudar a contar suas histórias”, acrescentou.

A Amblin Television, de Spielberg, disse em um comunicado que Hillary será uma das quatro produtoras executivas da atração, que está sendo desenvolvida para um canal a cabo ou uma plataforma de streaming.

Nenhum roteirista ou canal já está envolvido, mas a revista Hollywood Reporter disse que Hillary deve participar diretamente do desenvolvimento do programa, incluindo o elenco.

O projeto marcará a estreia da democrata como produtora de TV e vem na esteira de um acordo de maio entre o Netflix e o ex-presidente Barack Obama e sua mulher, Michelle, para produzir filmes, documentários e outros conteúdos para o serviço de streaming.

The Woman’s Hour, que se passa em 1920, conta a história da longa cruzada de mulheres americanas para conquistar o direito do voto, e foi publicado em março.

Hillary o classificou como “ao mesmo tempo um drama cativante e uma inspiração para todos, jovens e idosos, homens e mulheres, nestes tempos perigosos”. / REUTERS