As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cronologia da guerra civil na Síria

Redação Internacional

15 de março de 2016 | 05h00

Março de 2011
Os protestos contra Assad
A execução de jovens que picharam muros contra o governo, no contexto da primavera árabe, provocou uma onda de protestos no país, que começaram em Deraa, no sul da Síria, e se espalharam. Com o tempo, o movimento ganhou contornos sectários, com a maioria sunita da população descontente com o comando Alauita.
Julho de 2011
Oposição pega em armas
Com a deserção de oficiais sunitas do Exército e a adesão de grupos radicais – que com o tempo passaram a receber financiamento de monarquias do golfo rivais de Assad – a oposição pegou em armas contra o governo de Assad, dando início a guerra civil. A atitude é simbolizada na fundação do Exército Sírio Livre

Janeiro de 2012
Negociações frustradas
Com a deterioração do conflito, a ONU tentou intermediar uma saída política para a crise síria. Aliados e opositores de Assad, no entanto, jamais entraram em acordo, respaldados por potências internacionais e regionais que se dividiram sobre o conflito: EUA, Arábia Saudita e UE de um lado e Rússia, China e Irã do outro.
Agosto de 2013
Armas químicas
Um massacre de ao menos 300 pessoas com gás sarin provoca indignação internacional e a comunidade internacional pressiona Assad a abrir mão do arsenal. Com intermediação russa, as armas são retiradas de Damasco pela Opaq.

 

Julho de 2014
Surge o Estado Islâmico
No vácuo de poder criado durante o conflito, radicais islâmicos contrários a Assad e a facções mais moderadas dos rebeldes sunitas criaram o Estado Islâmico e declararam um califado em áreas do Iraque e da Síria em meados de 2014

Julho de 2015
A crise dos refugiados
Pressionados pela guerra, milhares de sírios deixam o país, primeiramente em países vizinhos como a Turquia e o Líbano. Ao longo de 2015 eles tentam chegar à Europa

Setembro de 2015
A intervenção russa
Preocupado com a aproximação de rebeldes sunitas de locais estratégicos na Síria, como as bases militares russas em Latakia, o presidente russo , Vladimir Putin, ordena bombardeio contra grupos que combatem Assad, que mudam o cenário no teatro de operações em favor do líder Alauita.

Mais conteúdo sobre:

Síria