As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A semana em sete notícias

Redação Internacional

10 de abril de 2010 | 07h00

Domingo, 4 de abril: A Colômbia prepara-se para escolher, em maio, o sucessor do presidente Álvaro Uribe, cujas bandeiras, nos últimos oito anos, têm sido o combate às guerrilhas e às drogas e a desmobilização de grupos paramilitares. O sucesso de Uribe em avançar nessas metas está registrado em pesquisas de opinião: sua popularidade é de 75% e hoje a segurança tornou-se um tema secundário na campanha presidencial, atrás da saúde, educação, corrupção e desemprego. Segundo o Instituto Gallup o combate à violência é prioridade só para 6,8% dos colombianos.

Segunda-feira, 5 de abril: A dez semanas da Copa do Mundo, o assassinato do líder de um partido pró-supremacia branca ameaçava dar início a uma onda de conflitos raciais na África do Sul. Eugene Terreblanche, de 69 anos, defensor do regime de apartheid, foi morto a pauladas em sua fazenda, perto da cidade de Ventersdorp, a 110 quilômetros de Johannesburgo.

Terça-feira, 6 de abril: Militantes do braço paquistanês do Taleban atacaram ontem o Consulado dos Estados Unidos em Peshawar em uma das mais duras ações contra instalações americanas no Paquistão em anos. Ao menos seis pessoas morreram, todos paquistanesas, além dos cinco suicidas. Horas antes, outro atentado matou 42 pessoas em Dir. Os terroristas paquistaneses usaram um caminhão-bomba, explosivos e lança-foguetes no ataque, mas fracassaram na tentativa de conseguir destruir o consulado. A explosão do caminhão chegou a fazer a cidade tremer, com uma coluna de fumaça atingindo dezenas de metros de altura.

Quarta-feira, 7 de abril: Pelo menos sete atentados coordenados em Bagdá deixaram mais de 50 mortos e reacenderam temores de que o Iraque entre novamente em uma espiral de violência sectária. Foi o quinto dia consecutivo com ataques ? que, ao todo, deixaram 119 mortos. Nas ações de ontem, porém, os alvos surpreenderam. A maior parte deles teve como alvo conjuntos habitacionais de bairros xiitas.

Quinta-feira, 8 de abril: Após uma onda de violentos protestos, movimentos de oposição afirmaram ter derrubado o governo no Quirguistão, ex-república soviética e aliado estratégico da Otan na região. O presidente Kurmanbek Bakiyev abandonou a capital, Bishkek, enquanto manifestantes tomavam prédios públicos, entre eles o do serviço secreto e uma TV estatal.

Sexta-feira, 9 de abril: O presidente americano, Barack Obama, e o líder russo, Dmitri Medvedev, assinaram um acordo histórico que reduz em um terço o número de ogivas nucleares ativas de cada país. O novo pacto para controle de armas nucleares, chamado de Start, foi um sinal do forte compromisso do governo americano com o desarmamento nuclear, embora seus resultados práticos sejam modestos.

Sábado, 10 de abril: Em clima de revolta e nostalgia, foi sepultado o líder supremacista branco Eugene Terreblanche, assassinado há uma semana. Em Ventersdorp, 200 quilômetros a oeste de Johannesburgo, além da saudade dos tempos do apartheid o que mais se ouvia em conversas de pé de ouvido era a recompensa de 2 milhões de rands (cerca de US$ 280 mil) pela cabeça de Julius Malema, líder da Liga Jovem do partido governista.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.