As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A semana em sete notícias

Redação Internacional

28 de agosto de 2010 | 15h13

Veja abaixo o que foi notícia no caderno de Internacional do Estadão:

Domingo, 22 de agosto – Além dos 14,6 milhões de desempregados e do gigantesco rombo fiscal, o governo do presidente dos EUA, Barack Obama, enfrenta outro inimigo interno nas eleições de novembro: as guerras. A retirada apressada das tropas de combate americanas do Iraque, na semana passada, e a insistência da Casa Branca em manter o cronograma de saída do Afeganistão, em julho de 2011, são expressões do quanto os eleitores americanos estão cansados de perdas humanas e do desperdício de dinheiro público.

Segunda-feira, 23 de agosto – O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, apresentou o primeiro avião não-tripulado iraniano capaz de lançar diferentes tipos de bombas. O bombardeiro seria uma resposta a EUA e Israel, que ameaçam atacar suas instalações nucleares. O anúncio foi feito umdia depois de o governo inaugurar a usina nuclear de Bushehr. O equipamento, batizado de Karrar, ou “atacante” em persa, tem um alcance de mil quilômetros, o que não é suficiente para atingir Israel. Ele pode carregar duas bombas de 115 quilos cada ou uma de 230 quilos, é teleguiado e não pode ser detectado por radares. Durante a apresentação, Ahmadinejad chamou a aeronave de “Mensageiro da Morte”.

Terça-feira, 24 de agosto – As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) propuseram uma reunião com os presidentes da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) para expor a visão do grupo sobre o conflito colombiano. O governo rechaçou a proposta, afirmando que não aceitará intermediários para o diálogo com a guerrilha. O Equador, atualmente na presidência do bloco, disse que respeitará a decisão de Bogotá sobre o pedido.

Quarta-feira, 25 de agosto – O presidente chileno, Sebastián Piñera, conversou por um interfone com alguns dos 33 mineiros soterrados a 688 metros de profundidade numa mina do Chile há 19 dias, que lhe pediram para ser resgatados “deste inferno” o mais rápido possível e não ser abandonados. Luis Urzúa, um chefe de turno que está liderando o grupo, contou a Piñera o que aconteceu no dia 5, quando ocorreu o acidente. Em seguida, ele fez um emotivo apelo: “Estamos esperando que todo o Chile faça força para que nos tirem daqui no dia 18”, festa nacional que este ano coincide com o bicentenário.

Quinta-feira, 26 de agosto – Autoridades mexicanas encontraram 72 corpos de imigrantes em uma vala comum em uma fazenda em San Fernando, na região da fronteira com os EUA. Entre as vítimas estão pelo menos quatro brasileiros, segundo o Itamaraty, além de equatorianos, salvadorenhos e hondurenhos. O grupo, que tentava entrar ilegalmente em território americano, teria sido morto por traficantes do cartel Los Zetas, formado por ex-militares. Este é o maior massacre relacionado à guerra ao narcotráfico no México desde 2006. As autoridades não sabiam informar com precisão a data em que ocorreram os assassinatos.

Sexta-feira, 27 de agosto – Sob forte segurança, diplomatas de Honduras, Equador, El Salvador e o cônsul-geral do Brasil no México, Márcio Araújo Lage, chegaram à cidade de Reynosa, no Estado de Tamaulipas, na fronteira com os EUA, para identificar os corpos de 72 imigrantes assassinados no fim de semana – entre eles 4 que possivelmente seriam brasileiros. A identificação, contudo, deve ser lenta porque a maioria viajava sem documentos. O embaixador do Brasil no México, Sérgio Augusto Abreu, informou à TV Milenio que foram identificados os primeiros 15 imigrantes mortos, mas não deu mais detalhes. No entanto, o subsecretário de Justiça de Tamaulipas, Jesus de la Garza, disse à TV que os identificados são oito de Honduras, quatro de El Salvador, dois da Guatemala e um do Brasil. O chanceler de El Salvador, Hugo Martínez, confirmou que quatro salvadorenhos foram identificados. Mas ele não quis revelar os nomes, pois as famílias não foram notificadas.

Sábado, 28 de agosto – Soldados da Marinha mexicana encontraram, numa estrada do Estado de Tamaulipas, o corpo de um agente do Ministério Público que investigava o massacre de 72 estrangeiros – incluindo 4 brasileiros – numa fazenda de San Fernando, perto da fronteira com os EUA. Quase ao mesmo tempo, um carro-bomba foi detonado na frente da sede de Ciudad Victoria, capital de Tamaulipas, da TV Televisa. A explosão não causou vítimas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.