As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A situação dos EUA

Algumas questões sobre a economia americana têm sido debatidas pelos pré-candidatos republicanos. Saiba mais sobre elas

Redação Internacional

06 de fevereiro de 2016 | 17h39

Desemprego
Em dezembro, a taxa de desemprego nos Estados Unidos ficou em 5%, graças à criação de 211 mil novos postos de trabalho somente em novembro. Em outubro, foram criados 270 mil novos postos de trabalho. A taxa de desemprego de dezembro foi a mais baixa em sete anos. A taxa média histórica de 4,5% foi anterior à crise financeira de 2008.

PIB
O Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA desacelerou no terceiro trimestre do 2015 ao registrar avanço anualizado de 1,5%. O resultado ficou abaixo do registrado no trimestre anterior, quando chegou a 3,9%. O governo disse que o crescimento perdeu força no trimestre porque as empresas reduziram a reposição dos estoques.

Taxas de juros
Em dezembro, o Federal Reserve (Banco Central dos EUA) anunciou o aumento dos juros em 0,25 ponto porcentual, na primeira elevação desde junho de 2006. Com o aumento, a taxa básica de juros passa para 0,25% a 0,50%. O aumento causou a preocupação de que os títulos americanos atraiam recursos aplicados em países emergentes.

Inflação
O índice de inflação sofreu leve aumento em 2015 nos EUA e chegou a 0,7%. O índice geral de preços ao consumidor ficou inalterado em novembro, mas o núcleo dos preços, que exclui alimentos e energia, subiu 0,2%. Foi o terceiro mês seguido de alta de 0,2%. Nos 12 meses até novembro, o núcleo do índice subiu 2%, o maior ganho desde maio de 2014.

Preço do petróleo
Com a nova queda no preço do petróleo, o barril acabou sendo cotado na semana passada nos Estados Unidos abaixo dos US$ 30 pela primeira vez em 12 anos.
Em Nova York, os preços chegaram a atingir US$ 29,93 o barril, a menor cotação desde dezembro de 2003. O barril do “light sweet crude” para fevereiro fechou a US$ 30,44.

Orçamento militar
Os EUA aumentaram as verbas para despesas militares, destinadas a contrabalançar o poderio russo, a aumentar a presença americana no Leste Europeu e à luta contra o Estado Islâmico. O orçamento para as despesas militares para o ano fiscal de 2017 será de US$ 583 bilhões, valor que ultrapassa significativamente o de qualquer outro país.