As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Analista inclui Blair e Lula entre ‘os hipócritas do ano’

Luiz Moncau

21 de dezembro de 2009 | 08h08

O respeitado analista venezuelano Moisés Naim – editor da revista Foreign Policy – incluiu o ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair e o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva entre os “cinco hipócritas de 2009”. 

A lista elaborada por Naim foi publicada em sua coluna semanal no jornal espanhol El País. Num texto bem-humorado e irônico, o analista venezuelano coloca em primeiro lugar os banqueiros – que, segundo ele, vivem enaltecendo a eficiência dos mercados e atacando os governos. Este ano, porém, ele ressalta que os banqueiros foram salvos pelos governos que tanto criticam.

Lula aparece apenas em quinto na lista, mas o analista não economizou nas críticas. Ele observa que Lula vive elogiando Chávez, “mas nunca ouvimos ele falar uma palavra sequer sobre as condutas autoritárias do amigo venezuelano”. Naim observa outra contradição de Lula no caso de Honduras. “Ele atacou as eleições em Honduras na mesma semana que recebeu em Brasília o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad – cuja vitória eleitoral também é questionada.” E arremata: “O que ocorreu na eleição no Irã que não aconteceu em Honduras? Uma enorme fraude, mortes, torturas e a brutal repressão ordenada pelo governo de Ahmadinejad, que o afável presidente brasileiro não deve ter se inteirado.”

Blair é citado por viver repetindo sua repulsa a ditadores. Blair disse recentemente que a invasão do Iraque foi válida mesmo sem a comprovação de que o país mantinha armas de destruição de massa. Só a queda de Saddam Hussein seria um bom motivo. Dias depois, Blair se deixou fotografar ao lado do ditador do Azerbaijão, Ilham Aliyev. O detalhe: Blair viajou ao país para dar uma palestra, bancada pelo maior empresário do país – obviamente, amigo do ditador.

Naim incluiu na lista figurões do Partido Republicano famosos por seu discurso moralizador. Ele  cita o governador da Carolina do Sul, Mark Sanford, que vivia criticando a conduta sexual do então presidente Bill Clinton e agora admitiu ter um amante argentina; o senador conservador John Ensign, que reconheceu ter mantido um tórrido romance com sua chefe de gabinete e, claro, Sarah Palin. Naim observa que a ex-candidata a vice-presidente defende a abstinência sexual como única forma de evitar a gravidez precoce de adolescentes, “mas, em sua própria casa, a abstinência brilha pela sua ausência”.

A lista inclui ainda os juízes britânicos que emtiriam ordem de prisão contra a ex-primeira-ministra de Israel Tzipi Livni, sob a acusação de crimes de guerra durante a ofensiva em Gaza, no ano passado. “Por que não ordenaram a prisão da chanceler alemã Angela Merkel, cujos aviões militares bombardearam civis no Afeganistão? Ou de  George W. Bush, Blair e Barack Obama, pelos milhares de civis inocentes mortos  no Iraque e Afeganistão?” (El País)

Tendências: