As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

AO VIVO: o pior já passou, informam autoridades

Redação Internacional

27 de agosto de 2011 | 17h09

7e381ba155694de089dfc174060c959c_7e381ba155694de089dfc174060c959c_0600100.jpg

Veja também:
TWITTER: Acompanhe nossos correspondentes nos EUA
PARTICIPE: Está nos EUA? Conte sua história sobre o Irene
MAPA: O avanço do furacão sobre os Estados americanos (NYT)
SERVIÇO: Conheça as zonas de evacuação em Nova York (NYT)
MAIS: Vídeos, textos e fotos da cobertura do furacão Irene

DOMINGO, DIA 28 DE AGOSTO

14h45 – A central de emergências montada pelo governo dos Estados Unidos informou agora pouco que o pior já passou em relação aos efeitos devastadores do furacão Irene, que quando chegou a Nova York já havia sido rebaixado para tempestade tropical. Ainda há chuvas intensas no local, o que causa alagamentos em muitas áreas. As informações são das agências internacionais, que inclusive dão conta de que os aeroportos de Nova York podem ser reabertos nesta segunda-feira.

13h10 – O corpo de bombeiros de Nova York começa a realizar uma série de resgates na cidade por conta das fortes chuvas provocadas pela tempestade tropical Irene. Há equipes de resgate, ainda, vasculhando pontos do munícipio que estão alagados. Essas equipes querem se certificar de que não há ninguém nas áreas de risco.

Segundo informações da agência de notícias AP, o corpo de bombeiros já resgatou 61 adultos e três crianças de 21 casas. O porta-voz do corpo de bombeiros, Paul Iannizzotto, informou ainda que foram feitos resgates em áreas de Staten Island com inundação que chegava a 1,5 metro.

12h00 – Agora tempestade tropical, Irene provoca menos estragos do que a previsão inicial das autoridades norte-americanas. Mesmo assim, agências internacionais reportam que em Nova York as chuvas causam alguns pontos de inundação. A cidade permanece com os aeroportos fechados, assim como o transporte público.

11H30 – O furacão Irene foi rebaixado a tempestade tropical, com ventos de no máximo 104 quilômetros por hora, de acordo com o Centro Nacional de Furacões. O centro do Irene avançou para a cidade de Nova York por volta das 10 horas, horário de Brasília.

 3h55 – O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, afirmou na noite de sábado, 27, que a hora das evacuações passou e agora os cidadãos devem sair das ruas e permanecer em lugares seguros, depois da chegada do furacão Irene.

 2h20 – Com os moradores comprando lanternas, velas, pão e água, Nova York prepara-se para o pior furacão das últimas sete décadas a atingir a cidade, menos de uma semana depois de um inesperado terremoto. A caminho de Manhattan, o Irene matou, entre mortes diretas e relacionadas, ao menos 9 pessoas e deixou mais de um milhão sem energia, segundo a rede de TV CNN.

16h45 – Quatro mortes já foram registradas nos Estados Unidos relacionadas à passagem do furacão Irene, informa a rede de televisão MSNBC em seu site neste sábado. Na cidade de Newport News, na Virgínia, um garoto de 11 anos morreu quando uma  árvore caiu devido aos fortes ventos e atingiu o apartamento onde ele estava.

O furacão Irene mostra força, porém não deve causar o desastre generalizado que se temia há dois dias, segundo especialistas.  Apesar disso, o nordeste dos EUA deve ficar atento, advertiram. “O nordeste não pode ficar sossegado”, afirmou José Miranda, da  companhia de previsão de desastres Eqecat Inc. “Quando isso tudo acabar, acho que será lembrado como uma tempestade de todo o nordeste, não apenas da Carolina do Norte.”

Informações ainda dão conta de que pelo menos 650 mil pessoas estão sem energia elétrica. Os fortes ventos impediam que as equipes pudessem  estimar os estragos já causados pelo fenômeno e realizar consertos, explicaram as empresas que fornecem energia nas regiões atingidas.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.