As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

MINUTO A MINUTO: O debate entre os candidatos à vice-presidência nos EUA, Joe Biden e Paul Ryan

Redação Internacional

11 de outubro de 2012 | 16h04

DANVILLE, KENTUCKY – Os candidatos à vice-presidência dos Estados Unidos, o republicano Paul Ryan e o democrata Joe Biden, se enfrentaram em um debate acalorado na noite desta quinta-feira, 11. Ryan e Biden são dois candidatos católicos que exibem vastas diferenças sobre o papel do governo na vida pública e privada. Eles se enfrentaram depois do debate visto como uma oportunidade perdida por Obama, na semana passada.

O embate, único entre os número 2 das chapas de Barack Obama e Mitt Romney, focou questões tanto de política interna como externa. A transmissão foi resultado de parceria entre o estadão.com.br e o YouTube. A cobertura do debate foi feita com a equipe do Estado nos EUA. Os correspondentes do jornal Denise Chrispim Marin (Washington) e Gustavo Chacra (Nova York) e a colunista Lúcia Guimarães enviaram informações durante o embate. Os leitores e internautas puderam assistir ao debate e acompanhar os comentários e análises.

Acompanhe abaixo como foi o minuto a minuto. Se você não está vendo o vídeo acima, entre aqui.

0h38 – O presidente dos EUA, Barack Obama, disse que “não poderia estar mais orgulhoso” de seu vice, Joe Biden, após o debate contra o republicano Paul Ryan. Em um comunicado, Obama disse que aprecia especialmente a defesa “apaixonada e com argumentos sólidos sobre a classe média”.

23h40 – A cobertura do debate está concluída. Continue acompanhando as notícias sobre o duelo e as eleições norte-americanas no portal estadão.com.br.

23h36 – Na avaliação da colunista Lúcia Guimarães, Joe Biden se saiu melhor no debate e muito melhor do que Obama.

Chacra: “Na minha opinião, empataram.”

23h34 – O debate entre os vices está encerrado nos EUA. No próximo 16, Obama e Romney farão um novo debate, em um formato que permite também a eleitores fazer perguntas.

23h33 – Ryan diz “a escolha é clara”. “Enfrentamos uma escolha muito grande. Que país vamos deixar para nossas crianças?”, pergunta. O republicano cita a experiência de Romney.

23h32 – Lúcia: “Mais um dabate em que os candidatos não mencionam os pobres!”

23h31 – Nas considerações finais, Biden lembra da importância da classe média. “São as pessoas que construíram esse país”. Ryan aproveita o tempo que tem ao final, agradece à moderadora e ao candidato democrata se dirigindo a cada um deles. Depois, vira para a câmera e faz um apelo para os eleitores.

23h30 – Ryan afirma que irá trabalhar pelos americanos, atuando em alguns momentos ao lado de democratas. Biden responde dizendo de sua honestidade.

Lúcia: Raddatz pergunta o que o caráter de ambos vai trazer. Ryan : “Honestidade”, mas o republicano continua falando do plano econômico. Biden: “Só digo o que faço”.

23h29 – Para finalizar, Martha questiona como cada candidato poderá ajudar na vice-presidência.

23h28 – Ryan lembra das promessas não cumpridas por Obama durante seus quatro anos no governo, como não ter cortado o déficit americano pela metade.

23h25 – Biden pede que os americanos pensem e avaliem qual governo, o de Obama ou o de Romney, vai olhar para a classe média.

23h24 – Neste momento, com o debate chegando ao final, o tempo de Biden está um pouco à frente do republicano. A diferença é de cerca de dois minutos.

23h22 – Lúcia: Raddatz faz uma boa pergunta: “Quem acredita no direito ao aborto deve se preocupar com um presidente Romney?”

23h21 – O tom dos dois candidatos mudou quando eles passaram a falar de religião, um assunto mais pessoal. Até a voz mudou.

BIDEN_RYAN_DEBATE_32.JPG
Estudantes da universidade que sedia o debate assistem ao duelo em um telão

23h20 – Biden rebate dizendo que sabe o que sua religião considera como o nascimento da vida, mas não acha que seja correto tomar uma decisão (sobre aborto) por todas as pessoas.

Lúcia: Resposta de Biden: “Minha religião define quem eu sou, um católico”. Sobre o aborto. ele diz que aceita a posição doutrinária da Igreja católica mas não impõe a praticantes de outras religiões. “Não podemos dizer às mulheres como lidar com o corpo delas”, diz o democrata.

23h18 – Ryan afirma que o vice-presidente foi a China e teria dito que simpatizou com a política do governo chinês de apenas um filho.

23h17 – Ryan começa respondendo. “Não sei como alguém pode separar sua vida privada da vida pública”. “Sou contra o aborto não só porque sou católico”, diz o republicano.

23h16 – Martha muda o tópico do debate pela última vez e pede que os candidatos falem de religião e aborto. Os dois candidatos são católicos. Na foto abaixo, estudantes em Harvard assistem ao debate em uma TV.

1391150.jpg

23h15 – “Não devemos esperar a Rússia autorizar uma ação na Síria”, diz Ryan, lembrando que não é o caso de enviar tropas americanas ao país.

23h14 – Chacra: “Biden erra ao dizer que pode haver uma guerra xiita contra sunita na Síria. População xiita da Síria é de 0,1%. Ele confundiu com alauíta” .

23h12 – “Ninguém está propondo mandar tropas americanas para a Síria”, rebate Ryan. O republicano critica a ineficiência do governo americano. “O Obama fez uma declaração de que Assad precisava sair do poder e um ano depois, Assad continua lá e matando gente do povo dele.”

23h11 – Biden lembra que a situação na Síria é diferente da situação na Líbia, inclusive pela localização geográfica. Síria faz fronteiras com diversos países e qualquer ação no país precisa ser bem calculada, diz o vice-presidente. “A última coisa que a América precisa é uma outra guerra no Oriente Médio. Esses são os fatos.”

Biden diz ser um país “diferente, muito maior”. Segundo ele, “pode se tornar uma guerra regional, em uma área muito perigosa”. O democrata afirma ainda que o controle pode cair em “mãos erradas”.

23h08 – Martha muda novamente o foco do debate. Dessa vez, os candidatos devem debater a situação na Síria. A moderadora precisa esperar o fim de uma discussão entre Biden e Ryan para lançar a pergunta.

23h07 – Ryan afirma que a saída, se não for feita no momento certo, vai permitir que a guerra no Afeganistão continue. Biden rebate dizendo que as tropas afegãs foram treinadas pelos soldados norte-americanos.

23h06 – Martha questiona o vice-presidente sobre o fato de tropas que estão no Afeganistão afirmarem que a saída em 2014 é um movimento político.

2012_10_12T015834Z_01_DAN138_RTRMDNP_3_USA_CAMPAIGN.JPG

23h04 – Lúcia: Biden diz: “Fomos ao Afeganistão para eliminar a Al-Qaeda. A responsabilidade de manter a segurança é do governo e não depende de condições”.

23h03 – Ryan afirma concordar com a saída das tropas em 2014, mas quer uma “garantia” de que será uma saída bem articulada. Ryan: “Temos que ter certeza de que o Taleban não volta”. Segundo a colunista Lúcia Guimarães, ele aproveita para dizer que foi ao Afeganistão. “Queremos a transição de 2014 viável”.

23h02 – O atual vice-presidente afirma que a saída das tropas norte-americanas do Afeganistão em 2014 implica, naturalmente, em corte dos gastos.

23h – Biden cita a morte de Osama Bin Laden. “Esse era um dos nossos objetivos.”

22h59 – Ryan afirma que os republicanos concordam com a atual gestão da saída do Afeganistão.

22h58 – Martha muda o tópico para o Afeganistão.

22h57 – Ryan afirma que não é viável cortar o orçamento das Forças Armadas dos EUA.

22h55 – Ryan continua na defensiva, não consegue dizer como vai cortar o déficit.

22h53 – Ryan afirma que o programa de Romney não vai aumentar os impostos da classe média. Os dois candidatos discutem sobre a questão.

22h52 – Chacra: Ryan e Biden, como Romney e Obama, têm duas visões distintas de mundo. Um é a favor do Estado na economia; o outro, da iniciativa privada.

22h49 – Ryan responde citando a importância da criação de empregos para a melhoria da economia dos EUA.

22h48 – “A classe média quebrou com a recessão. Eles precisam de ajuda. Não podem gastar mais com impostos de saúde”, diz o atual vice-presidente.

22h47 – Martha questiona os dois candidatos: quem vai pagar menos impostos com a política de saúde de cada um? Biden responde “a classe média”.

2012_10_12T014045Z_01_DAN134_RTRMDNP_3_USA_CAMPAIGN.JPG

22h45 – Biden afirma que a mudança sugerida por Romney e Ryan implica em as famílias pagarem mais impostos pela saúde.

22h44 – Biden e Ryan discutem sobre o programa de saúde para pessoas na faixa dos 25 anos.

22h42 – O debate entre os vices apresenta mais embates e ataques do que o primeiro debate dos presidenciáveis.

Lúcia Guimarães: “Ryan, condescende, afirma: ‘Senhor vice-presidente, sei que o senhor está sob pressão’. Biden solta gargalhada”.

Chacra: Biden interrompe Ryan o tempo todo e a moderadora não faz absolutamente nada. “Certamente os republicanos reclamarão”.

22h41 – Lúcia Guimarães: “Ryan acusa Obama de indicar um comitê para cortar Medicare. O problema é que ele concordou com o corte”. “Campo minado: Medicare e Medicaid. Ryan é autor de propostas de cortes drásticos, democratas chamam de Darwinismo social”.

22h40 – Biden rebate as críticas de Ryan dizendo que o Obamacare garantiu o direito à saúde aos americanos e afirma que o seguro social não será privatizado.

22h39 – Veja fotos dos candidatos à vice-presidência:

[galeria id=4639]

22h38 – “Ryan é um político promissor, que pode ser candidato à presidência no futuro”, disse ao Estado o coordenador do Instituto de Estudos Econômicos e Internacionais (IEEI), Luis Fernando Ayerbe. Leia mais

22h37 – Chacra: “Tirando as risadas desrespeitosas, Biden está vencendo o debate. Ryan ficou na defensiva”.

22h36 – Ryan critica o Obamacare (nome dado ao programa de saúde do atual presidente).

22h35 – Martha mais uma vez muda o tópico do debate e cita os programas de saúde e seguros sociais.

Lúcia: “Biden sabe usar sarcasmo sem parecer cínico e distante”. Ryan reage ao discurso pessoal com números, como um contador. Biden cita números com familiaridade.

22h33 – Lúcia: Biden batendo feio: “Saia do caminho, pare de fazer discursos sobre intenções, diga o que vai fazer pelos que estão sofrendo”.

Chacra: “Extremamente desrespeitoso Joe Biden no debate dando risadas enquanto Paul Ryan fala. Não é a postura de um vice-presidente. Lamentável”

22h32 – Biden rebate Ryan dizendo que a recessão vivida nos EUA começou com as dívidas de guerra deixadas pelos republicanos e pede que Romney “mostre um plano de governo que prove sua preocupação com a população”.

22h31 – Lúcia: Ryan diz que “o que vemos não é recuperação” e lista um plano de cinco pontos, o mesmo que Romney citou.

As risadas sarcásticas do vice-presidente democrata são criticadas por especialistas.

22h30 – Ryan lembrou a gafe do vice-presidente Biden. “O vice-presidente sabe bem que as vezes as palavras não saem do jeito coreto de nossas bocas” e afirma que Romney é um homem bom e preocupado com os americanos.

22h29 – Ryan rebate Biden dizendo que o desemprego aumentou.

22h28 – Lúcia Guimarães: Biden promete que desemprego vai cair abaixo de 6% mas não sabe quando. Lembra o que Obama herdou.

22h27 – Biden aborda a questão do vídeo que mostra Romney ofendendo os 47% da população dos EUA que não paga impostos. “Há pessoas lutando no Afeganistão que não pagam impostos”, diz o vice-presidente.

22h26 – Martha muda de assunto novamente e passa a questionar os vices sobre economia.

22h25 – Chacra: Biden precisa tomar cuidado com as risadas arrogantes e ar de superioridade. Mas fala bem agora dos aiatolás iranianos e a crise econômica. Biden, arriscada mas corretamente, aborda a situação atual da bomba iraniana. “Politicamente, contudo, isso deve pesar contra ele”, comenta o jornalista.

22h24 – Martha pergunta: o que é pior outra guerra no Oriente Médio ou um Irã com armas nucleares. Ryan responde que é o Irã com armas nucleares, enquanto Biden responde que a guerra nunca deve ser o caminho.

22h23 – Biden afirma que o Irã pode até ter a quantidade necessária de urânio para formas uma bomba, mas que é preciso ter a arma para isso.

Lúcia: Política externa é zona de conforto de Biden. Sobre um ataque, o democrata diz: “Poderíamos aplicar um golpe. A Inteligência de Israel e dos EUA está no mesmo ponto”.

22h21 – Lúcia: Ryan se enrolando, fala de aiatolás. Se não saírem de política externa, Biden continuará subindo. Biden continua chamando Ryan de “my friend” (meu amigo), condescende, e dá aula de fissão nuclear a Ryan. “Não vamos deixar o Irã ter arma nuclear, ponto”.

22h20 – Martha questina qual seria uma ação efetiva para evitar que o Irã tenha uma bomba nuclear, lembrando o que Netanyahu disse durante a Assembleia-Geral da ONU (de que o Irã está a meses de ter a bomba).

22h19 – Biden rebate Ryan dizendo que o presidente Obama é muito claro em suas declarações de que os EUA não vão permitir que o Irã tenha uma bomba nuclear, mas que o caminho não é uma guerra com o país.

22h18 – Lúcia Guimarães: Raddatz foca em política externa, controlando a conversa. Ao falar do Irã, pergunta: “Vocês dois poderiam garantir que um ataque militar seria efetivo?”

22h17 – Ryan afirma que o Irã tem um programa nuclear, em parte por culpa da falta de pulso do atual governo no que diz respeito a sanções.

22h15 – O assunto do debate passa a ser o Irã.

22h14 – Chacra: Biden culpa a inteligência pelo fiasco no atentado na Líbia. “Por enquanto, a moderadora vence o debate”, comenta o jornalista.

Raddatz: “Romney escreveu um livro (‘Nada de desculpas’). Os EUA não devem pedir desculpas por queimar o Corão?” Ryan desvia da pergunta e volta à Líbia. “Recusamos proteção ao embaixador. Não devemos pedir desculpas por nossos valores”.

22h13 – Lúcia Guimarães: Ryan diz que a Líbia é sinal da “desmontagem” da política externa de Obama. Na tela dividida que exibe o debate, Biden aparece rindo.

22h12 – Martha questiona Biden sobre a segurança dos diplomatas norte-americanos na Líbia

22h10 – Chacra: Ryan começa desmontando a  resposta de Biden sobre a Líbia. “Como não havia segurança para o embaixador em Benghazi?”

22h09 – Ryan critica a atuação do presidente Obama na relação com o ataque na Líbia. “O presidente demorou duas semanas para reconhecer que se tratava de um ataque terrorista”.

22h08 -Neste debate, diferente do que ocorreu no primeiro entre os presidenciáveis, os vices ficam sentados em uma mesa com a moderadora. “A expectativa é por gafe de Joe Biden”, escreve o correspondente do Estado em Nova York, Gustavo Chacra.  No debate da semana passada, Obama e Romney falaram de púlpitos.

22h07 – O democrata Joe Biden afirma que o embaixador dos EUA em Benghazi era um dos “melhores homens que tínhamos lá”.

22h06 – Enquanto o debate acontece em Danville, Kentucky, o presidente Barack Obama está a bordo do Air Force One, viajando entre Miami e Washington DC.

22h05 – Martha Raddatz começa falando sobre o evento, ocorrido há um mês, em que o embaixador americano em Benghazi, na Líbia, foi morto.

2012_10_12T010145Z_01_DAN108_RTRMDNP_3_USA_CAMPAIGN.JPG

22h04 – A colunista Lúcia Guimarães lembra que o debate mais assistido da história foi entre dois vices: Joe Biden e Sarah Palin, em 2008.

22h01 – Martha Raddatz começa a apresentar o debate, dizendo estar “honrada” por moderar o duelo, o único entre os candidatos à vice-presidência dos EUA.

22h01 – O debate está programado para começar dentro de segundos.

21h59 – A mediadora do debate entre os vices, que começa logo mais, é Martha Raddatz, a principal correspondente internacional da rede ABC.

21h58 – Segundo a colunista Lúcia Guimarães, o debate Palin-Biden, em 2008, foi assistido por 70 milhões e pessoas. O duelo entre os presidenciáveis Obama e Romney, na semana passada, teve 67 milhões de espectadores. O debate entre Ryan e Biden começa dentro de dois minutos.

21h51 – O debate começa dentro de poucos minutos. Acompanhe pelo Radar Global. A moderação será feita pela principal correspondente internacional da rede ABC News, Martha Raddatz.

21h22 – Segundo a colunista do Estado Lúcia Guimarães, que vive em Nova York, Paul Ryan disse há pouco à CNN que tem simpatia pessoal por Joe Biden. O candidato republicano à vice-presidência é bem mais novo que o democrata: Ryan tem 42; Biden, 69.

20h31 – Do Acervo: O encontro entre o experiente senador democrata Lloyd Bentsen (vice na chapa de Michael Dukakis) e o jovem senador republicano Dan Quayle (vice na chapa de George H. W. Bush), em outubro de 1988, teve como ponto alto uma “disputa” sobre o ex-presidente John Kennedy. Veja a página do Estado da ocasião.

20h16 – A Center College, universidade em Danville, no Kentucky, já sediou um debate entre candidatos à vice-presidência no passado. Uma placa comemorativa no local (na foto abaixo) lembra o encontro entre o republicano Dick Cheney e o democrata Joe Lieberman há pouco mais de 12 anos.

xBIDEN_RYAN_DEBATE_8.JPG

20h11 – O debate começa em pouco menos de duas horas.

19h12 – A ex-governadora de Michigan, Jennifer Granholm, que ajudou o atual vice-presidente dos EUA no treino para o debate com Sarah Palin em 2008, disse acreditar que Biden “vá jogar duro”. “Ele não vai ter que se preocupar com o tom”, disse a política democrata. “(Biden) vai poder falar de política e abordar temas como as mentiras deliberadas que o outro lado está propondo”. Leia mais aqui.

19h01 – Apoiadores do presidente Barack Obama e do opositor Mitt Romney exibem cartazes com os nomes dos candidatos no campus da universidade Center College, em Danville, onde os vices, Joe Biden (democrata) e Paul Ryan (republicano) se enfrentam logo mais, às 21h locais (22h de Brasília).

f85de98c75e64c3ab4b12d28dece89b6_f85de98c75e64c3ab4b12d28dece89b6_0.jpg

18h41 – “O debate entre Ryan e Biden deve ser mais honesto que o dos presidenciáveis”, na opinião de Luis Fernando Ayerbe, coordenador do Instituto de Estudos Econômicos e Internacionais (IEEI). Segundo ele, “vai ser um debate frontal, porque os dois são pessoas que assumem suas posições”. Leia mais aqui.

17h55 – O debate movimentou a faculdade que vai sediá-lo hoje. Veja abaixo algumas fotos de ensaios realizados no local onde Ryan e Biden se enfrentarão mais tarde.

[galeria id=4653]

16h45 – Leia: Debate entre vices nos EUA terá Irã e economia em discussão calorosa

16h38 – O debate está marcado para começar às 21h locais, 22h no horário de Brasília. Acompanhe pelo Radar Global. O vídeo será transmitido aqui.

16h04 – Pela segunda vez em sua história, Danville, uma pequena cidade no centro-oeste americano, se prepara para sediar um debate eleitoral. Segundo a AFP, os habitantes aproveitam o evento, que atrai atenção nacional e internacional, para “há várias semanas, arrumar ruas e estradas, podar árvores, pintar fachadas de casas e lojas e decorar vitrines”. Na foto, uma moradora pinta um hidrante com as cores da bandeira americana.

2012_10_10T224113Z_01_DAN202_RTRMDNP_3_USA_CAMPAIGN_DEBATE.JPG

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: