As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

MINUTO A MINUTO: O 3º debate presidencial nos EUA

Redação Internacional

22 de outubro de 2012 | 17h45

BOCA RATON, FLÓRIDA – Os candidatos à presidência dos Estados Unidos, o republicano Mitt Romney e o democrata Barack Obama, voltaram a se enfrentar nesta segunda-feira, 22, no último debate presidencial realizado nesta edição das eleições americanas, marcadas para 6/11. O debate teve perguntas sobre política externa, com moderação de Bob Schieffer, correspondente-chefe da CBS em Washington e âncora do programa Face the Nation.

A transmissão foi resultado de parceria entre o estadão.com.br, o YouTube e a rede de TV americana CNN. A enviada especial do Estado à Flórida, Denise Chrispim Marin, acompanhou o embate na Lynn University, na Flórida. De Nova York, a colunista Lúcia Guimarães e o correspondente Gustavo Chacra enviaram comentários e análises durante o debateAcompanhe abaixo.

0h35 – O debate termina e os candidatos se cumprimentam e trocam sorrisos.

0h33 – Romney critica a política de Obama e afirma querer que os empregos voltem ao país. “Washington está quebrada, mas eu sei o que é preciso para trazer esse país de volta. Agora é nossa vez. Peço o seu voto, gostaria de ser o novo presidente dos EUA.”

0h32 – Nas considerações finais, Obama afirma que nos últimos quatro anos “muitos progressos ocorreram”. “Vou garantir que os empregos voltem para o nosso país, vou garantir que tenhamos uma educação da melhor qualidade. Quero reduzir nosso déficit, mas não fazendo cortes desnecessários. ”

0h29 – Lúcia Guimarães: Romney critica o resgate das montadoras de Detroit. Comentário que aliena Ohio.

0h27 – O presidente afirma que cortar investimentos governamentais das áreas de pesquisas e energia não fará os “EUA mais competitivo com a China.”

0h23 – Obama afirma que o problema dos empregos devem ser corrigidos com mais investimento no setor de energia e pesquisas.

0h20 – Romney cita a China dizendo que quer construir realções que beneficiem os EUA. “Vejo, ano após ano, fábricas fechando e pessoas perdendo o emprego porque a China não joga pelas regras.”

0h14 – Obama afirma que a estratégia de seu governo não era apenas ir atrás de Bin Laden. “Fizemos alianças com diversos países para manter a democracia.”

0h12 – Questionado sobre o uso de drones, Romney afirma que tudo deve ser usado para proteger os americanos e seus aliados de ameaças.

0h11 – O mediador questiona se é o momento de cortar relações com o Paquistão. Romney afirma que não.

0h08 – Obama afirma que as ações foram planejadas e que agora as tropas americanas podem deixar o Afeganistão porque eles estçao preparados para assumir o controle.

0h05 – O mediador pergunta o que os candidatos fariam caso o prazo (2015) para a retirada total das tropas do Afeganistão chegasse e o povo não estive pronto para governar por conta própria.

2012_10_23T012018Z_01_WHT207_RTRMDNP_3_USA_CAMPAIGN.JPG

0h03 – Obama critica, mais uma vez, a postura contraditória de Romney. “Hoje você concorda com a retirada dos soldados do Iraque, mas semanas atrás disse que deveríamos ter mais homens lá.”

0h01 – O mediador questiona os candidatos sobre o que fariam caso o primeiro-ministro de Israel lhes telefonasse dizendo que um míssel estava a caminho do Irã. Romney responde que a relação que tem com o primeiro-ministro não permitiria esse telefonema porque a decisão não seria tomada sem uma discussão.

23h58 – A CNN perguntou aos espectadores e internautas quem eles acham que está vencendo o debate, que já passou da primeira metade. As respostas estão equilibradas por enquanto.

23h57 – Lúcia Guimarães: “Romney repete frase estúpida: ‘Obama estreou numa turnê de desculpas pelo mundo’. É mentira, nem republicanos com QI de 3 dígitos levam a sério”.

23h56 – Romney acusa o governo de Obama se não ser rigoroso com o Irã.

23h54 – Obama afirma que o tempo está passando e que, se o Irã não acatar a pressão da comunidade internacional, tudo será feito para evitar que o país tenha uma arma nuclear.

Lúcia Guimarães: Obama: “Enquanto eu for presidente o Irã não vai adquirir uma bomba nuclear. Sanções estão funcionando a economia iraniana está em frangalhos.”

23h51 – O mediador cita as recentes notícias de que os EUA e o Irã sentariam para discutir o programa nuclear iraniano. Obama afirma que as notícias são “mentira”.

Chacra: “Bem perguntado: ‘Por que os EUA viveram com a União Soviética nuclear e não conseguiriam com o Irã?”

23h49 – Romney afirma que, se eleito presidente, os EUA estarão ao lado de Israel em retaliação a um ataque, “até mesmo militarmente.”

Chacra: Romney repete exatamente a mesma coisa que o Obama disse. Os dois são iguais em relação ao Irã. Não existe diferença.

7e74efd142d24350adfd69129de8851a_7e74efd142d24350adfd69129de8851a_0.jpg

23h48 – Obama concorda que um Irã com armas nucleares é uma ameaça. O presidente afirma que as sanções possibilitam ao Irã escolher entre um “caminho diplomático para deixar o programa nuclear ou enfrentar as Nações Unidas.”

23h44 – Romney e Obama debatem sobre a estratégia militar dos EUA e os investimentos no setor.

23h42 – Lúcia Guimarães: “Este debate quase não é sobre política externa. É para indecisos preocupados com economia. Obama defensivo, Romney vai bem.”

23h41 – O presidente dos EUA critica a proposta de Romney de aumentar os investimentos no setor militar do país.

23h38 – Obama afirma que para melhorar a economia, é preciso investir em educação, “formar melhores professores, cientistas.”

23h36 – O republicano afirma que é preciso melhorar a economia dos EUA e para isso, um dos objetivos é ter a independência energética. Romney cita que o momento é propício para se trabalhar com a América Latina.

23h34 – O correspondente do Estado em Nova York, Gustavo Chacra, lembra que o Brasil ainda não foi mencionado no debate, focado apenas em política externa. “Romney tenta incluir economia no debate”, comenta o jornalista.

23h33 – Obama afirma que ao retirar as tropas do Iraque, foi possível direcionar os custos com a intervenção para outros setores.

23h32 – Lúcia Guimarães: Obama: “Estamos dando ajuda humanitária e tentando mobilizar as forças moderadas na Síria, em consultas com Israel, Turquia e outros aliados”. “Temos que reconhecer também que nos envolver mais na Síria é um passo sério, não adianta dar armas para quem pode se voltar contra nós.”

23h30 – Respondendo ao moderador sobre o papel dos EUA no mundo, o republicano afirma que o país tem a responsabilidade e o privilégio de liderar a luta pela liberdade.

23h28 – Romney volta a dizer que o Irã, com as declarações do presidente Mahmoud Ahmadinejad, é uma ameaça à segurança.

23h26 – O último debate ocorre no 50º aniversário do anúncio, feito pelo então presidente John F. Kennedy, de que mísseis soviéticos haviam sido colocados em Cuba, o que deu início à Crise dos mísseis. O fato foi lembrado pelo moderador na abertura do debate (na foto abaixo).

2012_10_23T011924Z_01_BRO517_RTRMDNP_3_USA_CAMPAIGN.JPG

23h25 – Questionado se tinha algum arrependimento por dizer que o presidente egípcio Hosni Mubarak deveria deixar o poder, Obama responde que não.

23h23 – Romney afirma que não pretende levar tropas americanas para lutar na Síria, mas que é preciso derrubar Assad e ter um novo governo, bem armado, em seu lugar.

23h22 – O democrata afirma que a intervenção na Líbia foi feita de forma cautelosa, sabendo com “quem estávamos lidando”.

23h19 – Romney afirma que a Síria é o único aliado do Irã no Oriente Médio atualmente. Para o republicano, é preciso reorganizar o governo na Síria, trabalhando com países aliados.

23h18 – Obama responde dizendo que os EUA colocaram sua opinião – de que Assad deve deixar o poder – para a comunidade internacional, aplicaram sanções contra a Síria e ajudaram a oposição síria.  “Estou confiante de que os dias de Assad estão contados.”

23h16 – O mediador inicia o segundo tópico da noite: a guerra civil na Síria.

23h15 – O presidente dos EUA afirma que é preciso garantir a segurança de minorias religiosas e as mulheres.

23h14 – Obama critica o fato de Romney ter dito que o inimigo n° um dos EUA na questão de segurança era a Rússia. Romney rebate dizendo que é o Irã.

23h13 – Chacra: Romney lembra bem de Mali, mas erra ao dizer que regime de Assad matou 30 mil. Este é o número total de mortos, incluindo os pró-Assad.

23h11 – Lúcia Guimarães: Romney aparenta calma, menos agressividade.

23h10 – Romney afirma que é preciso ajudar os países do Oriente Médio com educação, oportunidades e leis.

23h08 – Obama começa respondendo que sua prioridade é a “segurança dos americanos”. Ele lembra o fim da guerra no Iraque e a consequente morte de Bin Laden. “Vamos atrás dos que mataram os americanos e levá-los a Justiça, mas precisamos lembrar as melhorias que ocorreram na Líbia”, diz o presidente sobre a questão da morte do embaixador dos EUA em Benghazi.

23h06 – Mitt Romney inicia respondendo. Ele afirma que a pergunta é de grande interesse do mundo e, principalmente, da América. O republicano cita a Primavera Árabe e as mudanças que ocorrem no Oriente Médio. Romney cumprimenta o presidente Obama pela perseguição ao “terrorista Osama bin Laden”.

DEBATE_LEDEALL_33.JPG

23h04 – O mediador inicia o debate questionando os candidatos sobre o que ocorreu na Líbia, resultando na morte do embaixador dos EUA.

23h02 – Barack Obama e Mitt Romney entram para iniciar o debate.

22h43 – O debate da semana passada terminou com a revelação de um Obama mais incisivo, que não foi visto no primeiro duelo. Na opinião de especialistas, uma questão de política externa, sobre o ataque que matou o embaixador americano na Líbia no dia 11 de setembro, foi decisiva para vitória de Obama.

22h39 – Faltando pouco mais de 20 minutos para o início do último debate, aproveite para relembrar como foram os debates anteriores: 1º debate entre Romney e Obama, 2º debate entre os presidenciáveis e o debate entre os candidatos à vice-presidência, Joe Biden e Paul Ryan.

22h37 – O senador republicano John McCain conversa neste momento com a moderadora do último debate, Candy Crowley. McCain é a única pessoa a ter debatido tanto com Obama (na corrida eleitoral em 2008) quanto com Romney (na disputa pela nomeação republicana).

22h36 – Faltam pouco mais de 20 minutos para o início do debate presidencial. Acompanhe pelo Radar Global.

22h33 – Logo após o encerramento do debate acompanhe, ao vivo, uma conversa entre os jornalistas Lúcia Guimarães, Gustavo Chacra, Lourival Sant’Anna e Gabriel Toueg pelo Hangout. Eles comentarão e analisarão o desempenho dos candidatos esta noite e ao longo das últimas semanas.

22h29 – A disputa está acirrada nos EUA. Veja no infográfico abaixo os números Estado a Estado da guerra pelos votos (clique para ampliar e para ver os números da última eleição, em 2008), bem como o avanço de Obama e Romney nas pesquisas, eventos e financiamento de campanha.

ESPECIAL: A guerra pelos votos nos Estados Unidos

 

22h22 – Falta pouco mais de meia hora para o início do último debate presidencial entre Obama e Romney. Acompanhe.

22h11 – Assista ao depoimento de eleitores americanos ao repórter especial Lourival Sant’Anna, que percorreu 10 cidades de 5 Estados americanos nas últimas semanas. Na foto, um eleitor que se diz indeciso posa ao lado de figuras de Romney e Obama em Boca Raton, onde ocorre o debate hoje à noite.

2012_10_22T222204Z_01_BRO109_RTRMDNP_3_USA_CAMPAIGN.JPG

22h08 – Assista, na TV Estadão (abaixo) o comentário do repórter especial Lourival Sant’Anna sobre a polarização nos EUA. O país “está completamente dividido”, afirma.

 

22h06 – Leia no Radar Global alguns detalhes sobre os candidatos Mitt Romney e Barack Obama.

22h03 – A CNN exibe nesta momento as primeiras cenas do local do debate desta noite, que já vai ficando cheio uma hora antes do início. O ex-presidente Bill Clinton concedeu entrevista à rede americana. A entrevista vai ao ar dentro de minutos.

22h02 – Que país é esse? Ainda do jornalista Uri Friedman, do Washington Post: em 2010, 71% dos americanos disseram acreditar que o Irã já tinha armas nucleares. A pesquisa foi feita na ocasião pela rede de TV CNN.

22h – Falta uma hora para o início do debate presidencial entre Romney e Obama. Este será o último embate da eleição 2012.

21h57 – O repórter especial do Estado Lourival Sant’Anna conversou com eleitores em 10 cidades de 5 Estados americanos. “O quadro é o de um país polarizado, como sugere a pequena fatia de indecisos: em torno de 5%”, escreveu. O resultado da visita de Sant’Anna aos EUA é a reportagem especial América dividida, publicada no jornal no último domingo.

21h47 – Diferentemente dos últimos debates, o desta noite começa às 23h de Brasília, devido à mudança do horário no Brasil. O Radar Global acompanha minuto a minuto e, ao final, promove debate entre jornalistas do Estado, com a participação de Lúcia Guimarães, Gustavo Chacra, Lourival Sant’Anna e Gabriel Toueg. Acompanhe.

21h46 – Que país é esse? Outro dado revelado por Uri Friedman, do Washington Post: em uma pesquisa Roper Public Affairs/National Geographic Society feita há seis anos, 88% dos jovens americanos não sabiam apontar o Afeganistão em um mapa. Três quartos não sabiam onde fica Israel ou o Irã e 63% não souberam identificar o Iraque.

21h42Cenas de Boca Raton: Na foto abaixo, o democrata John Kerry, diante do local do debate após dar uma entrevista.

0cf3cf7e2beb4226ba8768d30c77df58_0cf3cf7e2beb4226ba8768d30c77df58_0.jpg

21h36Que país é esse? Ainda segundo o colunista do Washington Post Uri Friedman, a China é a grande potência econômica mundial para 41% dos americanos. Os dados são de um levantamento do Pew. Na realidade, os EUA lideram o ranking (o país foi mencionado por 40% dos entrevistados).

21h35 – O debate hoje é sobre política externa. Mas, segundo a colunista Lúcia Guimarães, com empate técnico Obama e Romney vão devem usar respostas para voltar a temas domésticos. Segundo a jornalista, Uma nova pesquisa CBS dá vantagem de 7 pontos ao democrata em liderança no mundo.

21h28Cenas de Boca Raton: Um agente do Serviço Secreto americano guarda o local do debate desta noite.

xDEBATE_LEDEALL_6.JPG

21h27 – Faltando duas semanas para o pleito, Obama e Romney dedicarão o tempo restante para a conquista dos eleitores indecisos e desmotivados nos Estados tradicionalmente decisivos, chamados de swing States. O democrata e o republicano seguem empatados nas pesquisas nacionais de opinião e mantêm pouca diferença nos cálculos dos delegados necessários a vitória no Colégio Eleitoral. Mas, como informa a enviada especial do Estado a Boca Raton, onde ocorre o debate desta noite, o republicano mantém uma vantagem de US$ 46 milhões no caixa de campanha destinado à propaganda na etapa final.

21h23 – O presidente Obama aposta em uma relação mais estreita dos EUA com o mundo árabe. “América e Islã não são excludentes e não precisam estar em lados opostos”, disse o democrata. Conheça algumas das diferenças na política externa dele e do republicano Mitt Romney.

21h19 – Cenas de Boca Raton: Alunos da Lynn University, que sedia o debate na noite desta segunda-feira, brincam na piscina do campus.

2012_10_22T212525Z_01_JLS09_RTRMDNP_3_USA_CAMPAIGN.JPG

21h18Que país é esse? O debate de hoje será focado em questões externas. No primeiro duelo, Obama e Romney focaram em política doméstica. Na semana passada, eles responderam a questões de leitores sobre temas internos e externos. A pauta da noite envolve muito desconhecimento dos próprios americanos, como destacou um colunista do jornal The Washington Post, Uri Friedman. Como ele ressaltou, quase um quarto dos americanos não sabe que o país obteve sua independência do Reino Unido, de acordo com uma sondagem do Instituto Marist.

21h16 – Veja o local do debate desta noite. O duelo é o último das eleições, marcadas para dia 6 de novembro. Os candidatos devem abordar questões de política externa.

1406249.jpg

20h25 – Os preparativos para o debate foram concluídos no domingo. Abaixo, homem passa aspirador de pó no local do duelo, que começa às 23h (horário de Brasília).

55848f1de76a43b985e8616455f020a2_55848f1de76a43b985e8616455f020a2_0.jpg

20h03 – O debate desta noite foca em assuntos de política externa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: