As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

ARTIGO: Madiba, o pensador

Redação Internacional

05 de dezembro de 2013 | 20h14

Mandela era doce, mas firme no que dizia; vencedor, bem sucedido, poderia ter sido presidente vitalício, mas não quis se perpetuar no poder

Por Martinho da Vila

Palavras de mestre: “Uma boa cabeça e um bom coração formam sempre uma combinação formidável”, disse o líder Nelson Mandela em um de seus poéticos discursos. Na organização que abraçou, o Congresso Nacional Africano, criou a Lança da Nação, grupamento armado para lutar contra o apartheid. Também incentivou a formação do Amandla, uma vertente de guerrilheiros culturais.

O Amandla participou do evento Kizomba, realizado no Pavilhão de São Cristóvão, no Rio de Janeiro, com uma delegação composta por cantores, bailarinos, atores, músicos, poetas e intelectuais, estes para falar do Nelson Rolihlah Mandela, chamado na intimidade de Madiba, apelido alusivo às camisas coloridas que o advogado gostava de usar desde sempre.

Naqueles tempos o maior estadista africano estava recluso e em vários países do mundo eram organizados eventos de apoio ao Mandela, com a participação de artistas populares. Em 1985, representantes de segmentos do Movimento Negro de São Paulo convocaram-me para coordenar umas ações antiapartheid e fizemos uma passeata que culminou com um manifesto em frente ao consulado da África do Sul. Recebemos o apoio do reverendo Desmond Tutu, com quem entramos em contato telefônico e ele nos deu uma entrevista diretamente de Johannesburgo, através da Rádio Excelsior, no programa Balancê, que era apresentado por Osmar Santos.

Realizamos também uma manifestação política suprapartidária na Praça da Sé, com um showmício que culminou com um ato ecumênico comandado pelo padre Batista, pároco negro, com a participação de sacerdotes freiras, babalorixás, ialorixás e pastores protestantes. Foi emocionante quando o Arcebispo Dom Evaristo Arns deu as mãos a uma mãe de santo e um rabino, com todos de braços para o alto.

Ao sair da prisão o estadista veio ao Brasil agradecer o apoio recebido e militantes do movimento negro carioca e paulista fizeram uma bela recepção para ele e Winnie, sua mulher na ocasião. Querido e admirado por suas atitudes, não há quem não fique de pernas bambas ao se deparar com o grande líder africano, apesar de não causar a menor apreensão o seu penetrante olhar.

De fala mansa, Nelson Mandela tinha doçura na voz, mas era firme no que dizia. Em várias ocasiões, com base na própria experiência, enfatizou: “Não há nada melhor do que a liberdade e deve-se lutar por ela, com medo ou sem. Quando o sangue começa a ferver, é tolice desligar o coração. Bravo não é quem não tem medo, é quem o vence. Quando nos libertarmos do nosso próprio medo, nossa presença automaticamente libertará outros.”

Vencedor, bem sucedido, poderia ter sido presidente vitalício de seu país, mas não quis se perpetuar no poder e afirmou: “Enquanto permitimos que nossa luz brilhe, nós, inconscientemente, damos permissão a outros para fazerem o mesmo”.

Tolerante como um monge, não teve espírito vingativo, sempre soube perdoar e disse: “Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor da pele, sua origem ou religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender e, se aprendem a odiar, podem ser ensinadas a amar, pois o amor chega mais naturalmente ao coração humano do que o seu oposto. A bondade humana é uma chama que pode ser oculta, jamais extinta.”

Desprovido de vaidades banais, sempre foi fino no vestir com roupas como as da sua gente e considerava a todos como seus iguais, embora fosse um ser especial. Demonstrava alegria popular ao balançar o corpo ao som de qualquer música negra dançante e formulou este pensamento: “A beleza curiosa da música africana é que ela anima mesmo quando nos conta uma história triste. Você pode ser pobre, ter apenas uma casa desmantelada, pode ter perdido o emprego, mas a canção lhe dá esperança. A música africana versa sempre sobre as aspirações do povo”.

Um dos meus sonhos de carnaval é desenvolver um enredo e desfilar com um belo samba em homenagem ao Nelson Mandela, meu grande ídolo.

Tudo o que sabemos sobre:

África do SulNelson Mandela

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.