Avanços e retrocessos nos 10 anos de governo de Rafael Correa
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Avanços e retrocessos nos 10 anos de governo de Rafael Correa

Redação Internacional

25 de março de 2017 | 18h24

Economia
Os críticos do governo de Rafael Correa dizem que o futuro presidente herdará uma complexa situação econômica, pois o Equador enfrenta dificuldades financeiras, que o atual gabinete atribui a razões externas. A queda do preço do petróleo, a redução da arrecadação fiscal e o devastador terremoto de 2016, que provocou gastos de US$ 3,3 bilhões em reconstrução, afetaram gravemente a economia equatoriana.

Rafael Correa e seu candidato Lenín Moreno

Rafael Correa e seu candidato Lenín Moreno

Crescimento
As autoridades calculam que o Equador sofreu um retrocesso econômico de 1,7% em 2016 e preveem um crescimento de 1,42% este ano, apesar de a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) acreditar em um crescimento bem menor, de apenas 0,3%.

Competitividade
O governo também sustenta que o país é agora muito mais competitivo que há dez anos, quando Correa chegou ao poder, e incentiva os empresários a investirem ao mesmo tempo em que aposta na elaboração de produtos com valor agregado e em uma menor dependência do petróleo e da exportação de matérias-primas. No entanto, a oposição acusa o Executivo de falta de previsão por ter elevado os gastos na época da bonança petrolífera – durante os primeiros sete anos do governo de Correa – e não ter criado um fundo de reservas.

Pobreza
O investimento do governo Correa em áreas como educação e saúde levou a um fortalecimento do Estado de bem-estar social e uma redução significativa da pobreza, o que garantiu a popularidade do presidente e suas consecutivas reeleições. No entanto, os críticos alertam que, na realidade, houve um aumento da desigualdade.

Educação
Correa afirma que deixa um legado de 80% das crianças e jovens no sistema de educação público, enquanto em 2007 a porcentagem era de apenas 22%.

Mídia
Em julho de 2013, o governo de Correa aprovou uma nova Lei de Comunicação que, segundo a Associação Equatoriana de Editores de Jornais, foi adotada para censurar a liberdade de expressão e silenciar os críticos do governo.

Política ambiental
Correa foi criticado por sua política ambiental, apesar de no início de seu governo ele ter recebido o apoio dos ecologistas. O presidente enfrentou críticas principalmente pela exploração de petróleo no Parque Nacional Yasuni, em plena Floresta Amazônica. Ecologistas e militantes indígenas retiraram o apoio ao governo depois de Correa decidir explorar minérios na Amazônia equatoriana.

Tudo o que sabemos sobre:

Rafael Correa

Tendências: