Aysha Frade, professora de idiomas apaixonada pelas filhas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Aysha Frade, professora de idiomas apaixonada pelas filhas

Descrita pelos amigos como uma pessoa de 'sorriso radiante', ela estava a caminho da escola das filhas quando foi atropelada na ponte de Westminster

Redação Internacional

23 de março de 2017 | 16h25

Aysha Frade, de 43 anos, era uma professora britânica que morava em Londres com o marido e com as duas filhas. Ela lecionava espanhol em uma escola relativamente perto da ponte de Westminster, onde foi morta no ataque terrorista, de acordo com informações do jornal espanhol ‘La Voz de Galicia’. Parte de sua família ainda mora na Espanha, de acordo com o chanceler do país.

A mãe de Aysha imigrou para o Reino Unido de Betanzos, uma cidade no noroeste espanhol. As duas irmãs dela administram a Academia Notting Hill, uma escola de idioma em Betanzos, e moram em um vilarejo próximo. O pais delas é um turco de origem cipriotas, informaram amigos da família.

Funcionário da prefeitura de Betanzos, na Espanha, cidade de origem da família de Aysha Frade, coloca bandeira do país a meio mastro para homenageá-la (AFP PHOTO / MIGUEL RIOPA)

Funcionário da prefeitura de Betanzos, na Espanha, cidade de origem da família de Aysha Frade, coloca bandeira do país a meio mastro para homenageá-la (AFP PHOTO / MIGUEL RIOPA)

Nesta quinta-feira, a cidade de Betanzos respeitou um minuto de silêncio para homenagear Aysha. Autoridades locais decretaram três dias de luto. “A ligação dela com a nossa cidade sempre foi muito forte”, afirmou José Luis Pariente, funcionário da prefeitura da cidade. “Ela vinha visitar (seus parentes) todos os verões.”

Amy Winter, uma amiga da família em Londres, afirmou por telefone que Aysha era uma pessoa que vivia com um “sorriso radiante”. “Ela sempre animava as pessoas. Me dói saber que ela estava a caminho de buscar suas filhas quando foi morta. Elas era tudo na vida dela.” / NYT

Tudo o que sabemos sobre:

Aysha FradeLondresterrorismo