Cinco obstáculos que podem impedir a nomeação de Trump pelos republicanos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cinco obstáculos que podem impedir a nomeação de Trump pelos republicanos

Apesar de ter vencido três das quatro primárias realizadas até agora e ter conquistado a maior quantidade de delegados, magnata ainda está longe de ser indicado para disputar eleição em novembro

Redação Internacional

25 de fevereiro de 2016 | 10h09

Depois de três vitórias seguidas de Donald Trump na primárias do Partido Republicano, os analistas afirmam que está cada dia mais difícil para o establishment do partido evitar que o magnata conquiste a nomeação para disputar a Casa Branca, em novembro.

Trump tem desbancado os favoritos do partido nas primárias, mas sua indicação ainda não está garantida

Trump tem desbancado os favoritos do partido nas primárias, mas sua indicação ainda não está garantida (Foto: REUTERS/Joshua Roberts)

Veja abaixo cinco obstáculos que podem, no entanto, atrapalhar ou até impedir que Trump seja nomeado pelos republicanos para as eleições de novembro:

– A entrada de bilionários na disputa
Os principais doadores do Partido Republicano tem evitado confrontar Trump, mas em algum momento é provável que as principais fontes de dinheiro do partido ameacem suspender suas contribuições se o indicado for um homem que eles consideram “uma catástrofe”. Se isso acontecer, pode representar uma séria ameaça para Trump. Até o momento, porém, apenas uma família super rica, o clã Ricketts, doou alguns milhões de dólares para um grupo anti-Trump.

– O surgimento de uma alternativa
Numa disputa que começou com 17 candidatos, Trump habilmente jogou seus adversários uns contra os outros. Atualmente, com apenas outros quatro disputando a indicação, ele ainda consegue controlar a corrida mesmo tendo apenas cerca de 35% dos votos. No entanto, se a batalha for reduzida para dois ou três rivais – depois da Super Terça, por exemplo -, a amplitude do apoio a Trump será testada de uma forma que ainda não ocorreu desde que ele entrou na disputa.

– Desastre nos debates
Nos debates, Trump tem mostrado toda sua personalidade e suas opiniões polêmicas produzindo, por vezes, dano a sua própria candidatura. Na Carolina do Sul, os eleitores indecisos o rejeitaram depois de seus ataques ao ex-presidente George W. Bush no debate final. As coisas podem ficar mais difíceis para ele a partir desta quinta-feira, em Houston: ele já não conta com o grande espectro de adversários para protegê-lo de ataques vorazes de Ted Cruz ou de Marco Rubio, que tentam se impor diante do magnata.

– Derrota em Estados-chave
Apesar de Trump liderar a contagem de delegados no momento – com 81 ante menos de 20 de seus principais adversários -, ele vai precisar de uma ampla maioria para conquistar os 1.237 necessários para a nomeação na Convenção Nacional Republicana. Cruz e Rubio acreditam que uma das principais chances de tirar Trump da disputa, ou ao menos de enfraquecê-lo é infligir uma derrota em Estados-chave como Flórida e Ohio. Uma vitória do bilionário, no entanto, tornaria quase inevitável sua indicação.

– Atrapalhar a própria campanha
Há meses os republicanos tradicionais do partido acreditam que Trump pode destruir a própria campanha em razão de suas opiniões e propostas intempestivas e de sua falta de experiência. Até o momento, porém, isso não aconteceu. Mas o fato de Trump ainda não ter sido punido por sua falta de disciplina não significa que isso nunca acontecerá. Um erro monumental poderia causar muito mais dano agora do que no início da disputa. / NYT

Tendências: