Como pensam conservadores e trabalhistas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Como pensam conservadores e trabalhistas

O Reino Unido se prepara para escolher na quinta-feira o novo governo que conduzirá a negociação de saída da União Europeia (UE). Conheça o programa eleitoral de conservadores e trabalhistas britânicos:

Redação Internacional

07 de junho de 2017 | 05h00

Panfletos eleitorais em Londres. Foto: Daniel Sorabji / AFP

BREXIT

Conservadores: a primeira-ministra Theresa May já esboçou suas demandas nas negociações e vai tirar o país do mercado único europeu para acabar com a livre circulação de cidadãos europeus e poder controlar a imigração.

Trabalhistas: aceitam o resultado do referendo e a saída da UE, mas desejam que o país permaneça no mercado único, prometendo em seu programa que não abandonarão o bloco sem um acordo, ao contrário de May, que não descarta esta possibilidade.

IMIGRAÇÃO

Conservadores: desejam reduzir a imigração líquida anual a menos de 100 mil pessoas, ao invés das 248 mil de 2016, uma meta já anunciada nas duas últimas eleições e que não conseguiram cumprir.

Trabalhistas: o partido de Jeremy Corbyn não se compromete com nenhum número e afirma apenas que aproveitará a saída da UE para estabelecer “regras justas e uma gestão razoável da imigração”.

SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL

Conservadores: em seu programa eleitoral, May tinha como proposta que as famílias de um idoso com demência senil – um problema premente na envelhecida sociedade britânica – assumisse de maneira ilimitada os custos do atendimento até que restassem 100 mil libras de patrimônio – incluindo bens imobiliários -, momento a partir do qual o Estado assumiria o restante. A medida, criticada como “imposto sobre a demência”, iniciou a queda de May nas pesquisas e a obrigou a prometer que estabeleceria limites ao que será pago pelos idosos.

Trabalhistas: prometem 30 bilhões de libras adicionais para a saúde pública e 8 bilhões de libras para assistência social no próximo mandato.

DEFESA

Conservadores: se comprometem a investir pelo menos 2% do Produto Interno Bruto na defesa e a “manutenção” do atual número de oficiais das Forças Armadas.

Trabalhistas: apesar dos anos de militância pacifista de Corbyn, o programa do partido se compromete a renovar o arsenal nuclear. Ao mesmo tempo, promete a criação de um Ministério da Paz e Desarmamento.