Conheça os candidatos à presidência da Venezuela
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Conheça os candidatos à presidência da Venezuela

Eleitores que forem às urnas no domingo escolherão entre o atual presidente, Nicolás Maduro, o ex-chavista Henri Falcón e o ex-pastor evangélico Javier Bertucci

Redação Internacional

19 Maio 2018 | 15h55

Rodrigo Cavalheiro, Enviado Especial a Caracas

Em uma profunda crise econômica, a Venezuela comparece às urnas no domingo, 20, para eleições presidenciais cruciais para Nicolás Maduro, sob crescente pressão dos Estados Unidos e de outros governos que apoiam o boicote da oposição e afirmam que não reconhecerão os resultados.

Conheça quem são os principais candidatos à presidência do país:

– Nicolás Maduro
Autoritário, impopular e favorito

(Foto: EFE/Cristian Hernández)

Nicolás Maduro (EFE/Cristian Hernández)

Presidente desde 2013, o ex-motorista de ônibus chegou ao poder por indicação de Hugo Chávez, que morreu com alta popularidade. Sem o mesmo carisma, Maduro não soube enfrentar a queda no preço do petróleo e levou o país à hiperinflação – a previsão do FMI para este ano é de 13.800%.

Com uma aprovação ao redor de 20%, ainda assim é favorito, por vários fatores. O chavismo controla o Judiciário, o organismo eleitoral e o Ministério Público. Desde o ano passado, manda também no Legislativo, depois de ter criado uma Assembleia Constituinte que suprimiu funções do Congresso, dominado pela oposição desde 2015.

O salário mínimo hoje equivale a US$ 3, o que torna os pobres totalmente dependentes de subsídios. Maduro conta ainda com 2,3 milhões de funcionários públicos motivados por gratificações e com o êxodo de pelo menos 1,5 milhão de potenciais opositores. Ele admite erros e propõe uma “revolução econômica”, mas não explica o que é.

– Henri Falcón, ex-governador de Lara
Ex-chavista luta contra abstenção

Henri Falcón (AFP PHOTO / FEDERICO PARRA)

Henri Falcón (AFP PHOTO / FEDERICO PARRA)

Henri Falcón é o principal opositor na corrida, uma vez que Henrique Capriles e Leopoldo López, entre outras referências antichavistas mais conhecidas, foram impedidos de concorrer. Governador do Estado de Lara por dois mandatos consecutivos (2008-2017), cultivou a imagem de um chavista eloquente e populista, com estilo parecido ao de Hugo Chávez.

Rompeu com o bolivarianismo em 2010 e foi chefe da campanha de Capriles em 2013, na derrota para Maduro. Quando tentou voltar a governar Lara, com um perfil mais moderado, foi derrotado. O instituto Datanálisis o coloca na frente na disputa, mas Falcón só terá chance se a participação opositora for elevada.

Seu principal desafio foi convencer o antichavismo a desrespeitar o boicote defendido pela Mesa da Unidade Democrática (MUD). Por falta de apoio espontâneo, sua campanha chegou a pagar, com cédulas novas de 5 euros, venezuelanos para que dissessem diante da câmera que votariam nele.

– Javier Bertucci, ex-pastor evangélico
Apoio de Deus e problemas na Justiça

Javier Bertucci (EFE/Miguel Gutiérrez)

Javier Bertucci (EFE/Miguel Gutiérrez)

Conhecido como o pastor da igreja cristã Maranatha, garante ser o principal rival de Nicolás Maduro e ter um apoio de peso: Deus.

Desde jovem, Javier Bertucci combinou a vida religiosa e o mundo dos negócios. É dono de várias empresas, algumas fora da Venezuela e ligadas ao comércio de remédios e comida. Na Justiça, é acusado de contrabando de 5 mil toneladas de diesel à República Dominicana, em 2010, e foi investigado pelo uso de paraísos fiscais. Pelas acusações de contrabando, foi detido por três dias e logo submetido à prisão domiciliar por seis meses. Ele evitou esses temas na campanha. Distribuiu milhares de pratos de sopa em bairros populares durante seus comícios, sempre recheados de referências bíblicas.

Tido como um azarão, aparece em ascensão regular nas últimas pesquisas, o que deve dividir os votos dos antichavistas e ajudar Nicolás Maduro. Entre suas promessas, está a abertura de um corredor humanitário.

Mais conteúdo sobre:

Venezuela