As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em 1999, estudante de Medicina matou três em cinema de SP

Redação Internacional

20 de julho de 2012 | 08h05

SÃO PAULO – O incidente desta sexta-feira, 20, no Colorado, em que ao menos 14 pessoas morreram quando um atirador disparou dentro de uma sala de cinema que exibia o novo filme do Batman, evoca um episódio ocorrido no Brasil em 1999. O ex-estudante de Medicina Mateus da Costa Meira, matou três pessoas e feriu outras quatro a tiros também em uma sala de cinema, em um shopping na zona Sul de São Paulo. Em 2004, Meira foi condenado a 120 anos de prisão pelos crimes – pena reduzida em 2007 para 48 anos e nove meses de reclusão.

Veja também:
Atirador mata 14 em sala de cinema nos EUA
ACERVO ESTADÃO: Leia as notícias da época do ataque

Em fevereiro de 2009, Meira foi transferido do Presídio de Tremembé, em São Paulo, para a Penitenciária Lemos Brito, em Salvador, para cumprir o restante da pena na capital baiana, onde nasceu. Em maio daquele ano, porém, Meira atacou, com golpes de tesoura, um colega de cela, o espanhol Francisco Vidal Lopes, então com 68 anos, condenado por tráfico de drogas. A vítima não teve ferimentos graves, mas o agressor foi autuado em flagrante por tentativa de homicídio.

Capa do especial sobre o caso no Estado de 5/11/1999

print.JPG

Em 2011, o ex-estudante foi absolvido da acusação por júri popular, em sessão realizada na 1ª Vara do Fórum Ruy Barbosa, em Salvador. Os jurados acolheram a tese da defesa, apoiada também pela promotora do caso, Armênia Cristina Santos, de que Meira é inimputável, por sofrer de distúrbios psiquiátricos atestados por laudos médicos. Desde que agrediu o colega de cela, ele está internado no Hospital de Custódia e Tratamento de Salvador (HCT), do Poder Judiciário.