As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Estado Islâmico ameaça a Bélgica em mensagem pelo Whatsapp

Integrante de grupo jihadista usou serviço de mensagens para enviar áudio ameaçando escolas, hospitais e ruas comerciais

Redação Internacional

20 de agosto de 2015 | 15h57

BRUXELAS – O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) lançou novas ameaças contra a Bélgica por meio de uma gravação de áudio divulgada pelo aplicativo de mensagens Whatsapp, publicaram nesta quinta-feira, 20, os jornais belgas La Dernière Heure e Le Soir.

“Nos dias, semanas, meses e anos vindouros haverá mais terror em seus bairros, em suas ruas e em suas casas”, afirmou o jihadista de origem belga Nouamane Abdellah desde a Síria, em um áudio enviado ao especialista em jihadismo Montasser Al-De’emeh.

“As bibliotecas, as escolas, os hospitais, as ruas comerciais e as discotecas” são alvos potenciais, disse Abdellah, que insistiu que os atentados são “inevitáveis”. “Não se trata de uma ameaça ou de palavras lançadas ao vento, é uma declaração de guerra para a qual os planos já estão prontos”, ameaçou o miliciano do EI no começo da gravação.

A promotoria belga abriu uma investigação sobre a mensagem.

Abdellah nasceu em Antuérpia e é membro da organização radical islamita Shariah4Belgium (Sharia para a Bélgica), e em 2013 viajou para a Síria para lutar com o grupo terrorista. O jovem foi fotografado em companhia de membros de Katibat Al-Battar, uma “brigada de elite” na cidade belga de Verviers.

A rede de Verviers supostamente planejava atentados no país e foi desmantelada em 15 de janeiro na Bélgica em uma operação antiterrorista que terminou com dois jihadistas mortos, apenas uma semana depois dos ataques ao jornal satírico Charlie Hebdo, em Paris.

Apesar das ameaças, o governo da Bélgica não aumentou o nível de segurança, por considerar que “a mensagem é parte de uma estratégia global muito maior”, segundo um porta-voz do Serviço Público Federal Interior citado por Le Soir. /EFE

Tudo o que sabemos sobre:

BélgicaEIEstado IslâmicoSíria