Freud, salvo por um nazista
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Freud, salvo por um nazista

Luiz Moncau

28 de dezembro de 2009 | 00h41

Foto de Max Halberstadt/1914

Sigmund Freud: amigo nazista (Foto de Max Halberstadt/1914)

Sigmund Freud, o fundador da psicanálise, foi salvo da perseguição de Hitler aos judeus na Áustria em 1938 por um nazista quer admirava suas pesquisas e foi encarregado pelo governo hitlerista de inventariar e confiscar os bens do médico austríaco.

A revelação é do jornalista e cineasta britânico David Cohen, que acaba de lançar The Escape of Sigmund Freud (“A fuga de Sigmund Freud”, em tradução livre), publicado pela JR Books.

Segundo Cohen, o comissário nazista Anton Sauerwald não só o protegeu como ajudou Freud (1856-1939) e a família a fugirem para a Inglaterra.

O livro de Cohen revela detalhes do período turbulento que se seguiu à anexação político-militar da Áustria pela Alemanha hitlerista, em 1938.

Nessa época, Freud vivia confortavelmente com a família em Viena e já era famoso na Europa e nos Estados Unidos por seu estudo pioneiro sobre insconsciente. Juntamente com Carl Jung, ele tinha ajudado a fundar a Associação Psicoanalítica Internacional.

Apesar da fama, Freud teve de abrir suas contas e bens ao comissário indicado pelo regime nazista. Sauerwald, assim, acabou se aproximando do médico judeu. Sauerwald era sofisticado: estudou Medicina, Química e Direito. Foi aluno de Josef Herzig (1853-1924), professor de Química na Universidade Viena que frequentemente visitava Freud.

Sauerwald camuflou o inventário de Freud, omitindo contas bancárias e bens no exterior. Quando a perseguição nazista aumentou – e a SS, a polícia política nazista,  desconfiou da relação entre o comissário e o médico – , Freud achou que era melhor deixar a Áustria. Sauerwald foi fundamental na saída: levantou fundos, impediu a destruição dos livros da editora fundada pelo médico e ainda conseguiu o visto para que Freud deixasse Viena e embarcasse no Expresso Oriente, em junho de 1938.

Para não levantar suspeitas, Freud anunciou, assim que chegou a Londres, que todo o seu dinheiro havia sido confiscado pelos nazistas.

Freud morreu de câncer no ano seguinte.  Após o fim da 2ª Guerra, Sauerwald acabou preso, acusado de ter se apropriado de bens de Freud. A mulher dele então escreveu para Anne Freud, implorando para que a filha do médico revelasse o verdadeiro papel do comissário nazista no episódio. Sauerwald, que foi solto em seguida, morreu em 1970. (The Sunday Times)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.