Fukushima, o desastre nuclear transformado em atração turística
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Fukushima, o desastre nuclear transformado em atração turística

Desde o ano passado, central nuclear japonesa acidentada em 2011 se insere, lentamente, na rota turística de lugares marcados pela desgraça

Redação Internacional

22 de fevereiro de 2016 | 12h45

TÓQUIO – A central de Fukushima Daiichi, no Japão, palco do desastre nuclear de 2011, se introduz timidamente na rota turística de lugares marcados pela desgraça, como o edifício Dakota em frente ao qual assassinaram John Lennon ou o campo de concentração nazista de Auschwitz.

Quase cinco anos após declarar estado de emergência na central nuclear e enquanto 70 mil pessoas seguem deslocadas pela alta radioatividade, Fukushima Daiichi começa a receber os primeiros visitantes, especialmente estudantes e moradores da cidade.

Às margens do mar e rodeada de pinheiros, na central de Fukushima trabalham diariamente cerca de 7 mil pessoas para realizar a tarefa de desmantelar a usina, um perigoso e complicado trabalho que pode estender-se por quatro décadas.

Para lutar contra o esquecimento da tragédia de 11 de março de 2011, a organização Appreciate Fukushima Workers (AFW) criou uma rota pela usina nuclear na qual já participaram 140 japoneses desde que foi iniciada em 2015.

Os participantes, equipados com máscaras, luvas de algodão e bolsas de plástico envolvendo seus sapatos, viajam em um ônibus do qual não podem descer durante sua passagem pelas instalações de Fukushima para se proteger da radioatividade.

Nenhum estrangeiro participou até agora nas sete visitas organizadas e a maior parte dos interessados são locais: “Não podemos levar muitas pessoas ali. Por isso, damos prioridade aos residentes da área ou aos que trabalham na reconstrução da província”, declarou o organizador do tour, Akihiro Yoshikawa, um ex-trabalhador da usina de 35 anos.

A província de Fukushima, no nordeste do Japão, sofreu a catástrofe de março de 2011, quando se concatenaram em questão de dias um terremoto de nove graus na escala Richter, um tsunami e um acidente nuclear.

Trabalhador de Fukushima perto do reator 3 do complexo, que foi severamente danificado em 2011

Trabalhador de Fukushima perto do reator 3 do complexo, que foi severamente danificado em 2011 (Foto: REUTERS/Toru Hanai)

“Os cidadãos deveriam conhecer a situação real da central, já que eles são os que sofreram após o acidente nuclear. É um assunto público”, comentou Yoshikawa, que defende o acesso dos civis às instalações.

Do ônibus, os visitantes podem contemplar um lugar vedado para quase todos: “Os tanques de água contaminada, a depuradora, vários reatores, o porto e o centro de controle da central”, detalhou.

Além desta visita ao epicentro da catástrofe, o governo de Fukushima organizou em novembro outra rota para estudantes japoneses à cidade de Namie, esvaziada em 2011. Uma experiência piloto na qual participaram 19 jovens entre 17 e 23 anos e idealizada para que divulgassem a situação de um dos municípios que começa a ser repovoado por trabalhadores da central, especificou o governo da região.

Após a explosão da crise provocada pelo terremoto e o tsunami, o governo japonês ordenou o esvaziamento total ou parcial de cerca de dez cidades, entre elas Namie, situadas a distâncias de até 30 quilômetros da usina nuclear. Alguns delas permanecem abandonadas e intactas desde então, em outras, no entanto, os deslocados após a catástrofe começaram a retornar e junto a eles, os turistas.

É o caso de Naraha, uma cidade próxima à central que tenta retomar a normalidade prévia ao acidente nuclear e onde a proprietária de um restaurante comentou a chegada dos turistas: “Cada vez vêm mais visitantes que esperam encontrar aqui uma espécie de Chernobyl”, lamentou. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:

FukushimaJapão

Tendências: