Guaidó x Maduro: quem apoia cada um dos presidentes venezuelanos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Guaidó x Maduro: quem apoia cada um dos presidentes venezuelanos

Conheça os países, grupos e movimentos que estão ao lado do líder chavista ou do presidente da Assembleia Nacional

Redação Internacional

24 de janeiro de 2019 | 12h28

Atualizada em 31/1 – 15h05

CARACAS – A oposição venezuelana aposta todas suas fichas para tentar tirar o presidente Nicolás Maduro do poder em Juan Guaidó, que assumiu a Assembleia Nacional (o Parlamento do país) no começo do ano e nesta quarta-feira, 23, se declarou presidente interino na nação caribenha.

Conheça abaixo quem está ao lado de cada um dos presidentes da Venezuela:

– Apoio a Maduro

• O alto escalão do Exército não deu sinais de que vá abandonar Maduro. O ministro da Defesa, Vladimir Padrino, reafirmou seu apoio em um tuíte na quarta-feira, dizendo que as Forças Armadas da Venezuela repudiam qualquer presidente autoproclamado.

Maduro segura bandeira venezuelana em evento com apoiadores no Palácio de Miraflores (Foto: Luis ROBAYO / AFP)

Maduro segura bandeira venezuelana em evento com apoiadores no Palácio de Miraflores (Foto: Luis ROBAYO / AFP)

• A Suprema Corte, formada por juízes leais a Maduro, mantém o apoio ao líder chavista; no começo da semana, o TSJ decidiu que todas as medidas do Parlamento, liderado por Juan Guaidó, não tem validade

• A Rússia chamou Maduro de o presidente legítimo do país e acusou os Estados Unidos de tentar usurpar o poder na Venezuela; Moscou alertou Washington contra uma intervenção militar

• O presidente turco Recep Tayyp Erdogan diz que a Turquia está ao lado de Maduro e o instou a “permanecer firme”

• A China ressaltou seu apoio a Maduro e disse que se opõe a qualquer interferência externa na Venezuela; Pequim disse que apoia os esforços de Caracas para manter sua estabilidade e independência

Made with Flourish

• A petrolífera PDVSA, responsável por mais de 95% das divisas recebidas pelo governo venezuelano, ressaltou o apoio a Maduro. “Não temos outro presidente além de Maduro”, disse o presidente da estatal, Manuel Quevedo

• Governos de esquerda da região, incluindo Cuba e Bolívia, continuam apoiando Maduro. O México, onde o esquerdista Andrés Manuel López Obrador assumiu a presidência no ano passado, disse que seguirá uma política de não intervenção. Entre os demais países que defendem o chavista, estão Nicarágua e Irã

• Chavistas convictos na Venezuela, incluindo coletivos armados em áreas urbanas pobres, continuam sendo o núcleo do apoio popular a Maduro, como idealizado por Hugo Chávez em 2012

– Apoio a Guaidó

• Os EUA reconheceram o opositor como presidente interino da Venezuela momentos depois de ele se proclamar presidente interino e disse que usaria seu “poder econômico e diplomático” para restaurar a democracia no país

Juan Guaidó, com uma cópia da Constituição venezuelana em mãos, se declarou presidente interino do país (Foto: Federico PARRA / AFP)

Juan Guaidó, com uma cópia da Constituição venezuelana em mãos, se declarou presidente interino do país (Foto: Federico PARRA / AFP)

• Muitos países com governos de direita da América Latina, incluindo Brasil, Colômbia e Argentina. Também se posicionaram a favor do oposicionista Canadá, Chile, Costa Rica, Equador, Guatemala, Honduras, Panamá, Paraguai e Peru

• A União Europeia pediu novas eleições na Venezuela, mas não declarou apoio explícito a Guaidó. O bloco pediu respeito “aos direitos civis, à liberdade e à segurança”

• O presidente Francês, Emmanuel Macron, saudou a coragem dos venezuelanos de marcharem por liberdade e chamou de ilegal a vitória de Maduro na eleição presidencial de 2018

• Um porta-voz da premiê britânica, Theresa May, disse que a eleição de Maduro não foi nem livre nem justa e expressou o apoio de Guaidó como líder do Legislativo venezuelano

• O governo da Alemanha disse que o Parlamento da Venezuela tem um “papel especial” em garantir um “futuro livre” para a Venezuela

• Há sinais de que o apoio ao líder opositor está se expandindo para além das áreas onde moram a classe média e a classe alta na Venezuela; nesta semana, vários protestos contra Maduro ocorreram em áreas mais pobres do país, tradicionais redutos chavistas

• Alguns militares de baixa patente expressaram descontentamento com o governo. Na segunda-feira, Caracas disse que suprimiu uma revolta militar depois que um grupo de soldados roubou armas, sequestrou oficiais e exigiu a saída de Maduro / REUTERS

Mais conteúdo sobre:

VenezuelaNicolás MaduroJuan Guaidó