As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

GUERRA DAS MALVINAS: O que eles disseram…

Redação Internacional

31 de março de 2012 | 16h19

30 anos da Guerra das Malvinas

Durante a Guerra das Malvinas, cujo 30º aniversário ocorre na segunda-feira, 2, diversas declarações exaltadas foram feitas por líderes argentinos e britânicos, pela imprensa e por pessoas comuns. Algumas são mais marcantes. Confira a seleção.

Veja também:
CRONOLOGIA: A história do arquipélago

PERFIL: Os protagonistas do conflito
GALERIA: Imagens das ilhas Malvinas
ARQUIVO: As capas do ‘Estado’ sobre a guerra
ESPECIAL: 30 anos da Guerra das Malvinas

malvinas_argentinas.jpg
“Las malvinas son y serán argentinas”
 (“As Malvinas são e serão argentinas”), slogan repetido à exaustão nas escolas primárias do país latino-americano aos alunos a partir dos seis anos de idade

“Que venga el principito!” (“Que venha o principezinho!”), General Menéndez, ao saber, durante a guerra, que o príncipe Andrew, filho da Rainha Elizabeth II, faria parte da Task Force

“Es la pelea de dos calvos por un peine” (“É a briga de dois carecas por um pente”), Jorge Luis Borges, sobre a futilidade de uma guerra por um arquipélago árido

The_empire_strikes_back_newsweek200.jpg“The Empire Strikes Back” (“O império contra-ataca”), chamada na capa da revista britânica Newsweek de 19 de abril de 1982, quando o conflito ainda estava se desenrolando nas Malvinas (veja a cronologia da Guerra das Malvinas)

“Subordinación y valor” (“Subordinação e valor”), palavras de ordem dos oficiais do Exército argentino a seus soldados

“Malvinas para los pingüinos!” (“A Malvinas para os pinguins”), inscrição bem humorada em camisetas impressas no Brasil durante a guerra, fazendo referência aos animais que são maioria no arquipélago disputado entre Argentina e Grã-Bretanha

gotcha_headline.jpg“Gotcha” (“Te peguei”), manchete do jornal britânico Sun de 2 de maio de 1982, com a notícia sobre o cruzador argentino General Belgrano, que foi a pique depois de ser torpedeado pela marinha britânica (veja a cronologia da Guerra das Malvinas)

“Estamos ganando” (“Estamos vencendo”), chamada na capa da revista argentina Gente e de vários outros meios de comunicação em Buenos Aires, poucos dias antes da derrotablogmalvinasgentemayo1982200.jpg

“Seguimos ganando!” (“Continuamos vencendo!”), manchete de jornais e revistas argentinos nos últimos dias da guerra, ainda sem admitir a iminente derrota

“Estas ilhas não produzem coisa alguma. Neve, granizo e gelo. O ar está sempre úmido. Os alimentos daqui reduzem-se a peixe. É para mim este um país cruel. O reino deverá subsidiá-lo”, Frei Felipe de Mena, clérigo espanhol, em 1767

“Estamos tão entediados aqui, que não queremos mais ficar”, Mena, novamente em referência às Malvinas

“A Argentina precisa ser esfregada no barro da humilhação”, Winston Spencer Churchill, neto de Winston Churchill, no Parlamento britânico em junho de 1982 (veja a cronologia da Guerra das Malvinas)

“Hubieran sido amigos, pero se vieron uma sola vez cara a cara, em unas islas demasiado famosas, y cada uno de los dos fue Caín, y cada uno, Abel” (“Teriam sido amigos, mas viram-se uma única vez cara a cara, em umas ilhas famosas demais, e cada um dos dois foi Caim e cada um, Abel”), trecho do poema “Juan López e John Ward”, de Jorge Luis Borges, sobre dois soldados – um britânico e outro argentino – amantes da literatura do país do outro, que matam-se mutuamente na Guerra das Malvinas

Pesquisa e seleção: Ariel Palacios, correspondente em Buenos Aires

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.