Hotel criado por Banksy na Cisjordânia tem quartos a partir de US$ 30
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Hotel criado por Banksy na Cisjordânia tem quartos a partir de US$ 30

Viajantes com orçamento limitado tem opção de se hospedar em quarto que imita caserna; instalação mais luxuosa do 'The Walled Off Hotel' custa US$ 965 por noite

Redação Internacional

13 de março de 2017 | 12h19

Criado pelo empresário Wisan Salsah e pelo artista Banksy, “The Walled Off Hotel” (O hotel isolado pelo muro, em tradução livre) é, nas palavras dos próprios donos, “o hotel com a pior vista do mundo”, já que seus quartos dão de frente para o muro construído por Israel na Cisjordânia.

Isso não significa, no entanto, que a estadia no local seja barata. Com exceção de um quarto que imita uma caserna, com preço de US$ 30 e no qual seis pessoas dividem beliches e armários de ferro, as demais instalações têm preço médio de US$ 236 – isso sem contar a suíte presidencial, que possui hidromassagem imitando cisternas dos palestinos e cuja diária custa US$ 965.

Vista de um dos quartos do 'The Walled Off Hotel', na Cisjordânia (Jamil Chade/Estadão)

Vista de um dos quartos do ‘The Walled Off Hotel’, na Cisjordânia (Jamil Chade/Estadão)

Os preços, no entanto, não parecem atrapalhar a procura por hospedagem. Alguns dos quartos já estão esgotados pelo menos até 30 de junho – data máxima que é possível reservar online – e os demais possuem altas taxas de procura.

Além da hospedagem, o hotel oferece translado para o aeroporto (US$ 100) e um pacote com tour pela região que prometem “melhorar a estadia”. “Uma visita ao leste e oeste de Jerusalém que é operada por israelenses e outra ao muro/campo de refugiados que é organizada por palestinos”, diz a descrição da atração, que dura cerca de 3 horas e custa US$ 80 por pessoa.

Na suíte presidencial, parede é adereçada com quadro de coração machucado e repleto de arame farpado ( Jamil Chade/Estadão)

Na suíte presidencial, parede é adereçada com quadro de coração machucado e repleto de arame farpado ( Jamil Chade/Estadão)