As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Japonês condenado a morte com provas falsas deixa a prisão após 48 anos

Redação Internacional

27 de março de 2014 | 13h33

[galeria id=10192]
O japonês Iwao Hakamada, considerado o recluso há mais tempo condenado à morte no mundo todo, foi libertado nesta quinta-feira, 27, no Japão. Ele passará por um novo julgamento depois de surgirem evidências de que os procuradores do caso fabricaram provas contra o réu. Provas obtidas com base em exames de DNA indicam que ele é inocente. Ele passou 48 anos de sua vida na cadeia.

Hakamada foi condenado à morte em 1968 por uma série de assassinados cometidos em Shizuoka, em 1966. Sua condenação foi confirmada por um Tribunal de Apelações em 1980. O acusado deixou hoje a prisão ao lado de sua irmã mais velha.

Nos últimos tempos, o réu, que hoje tem 78 anos, passava a maior parte do tempo em silêncio e se recusava a receber visitas. “Antes eu perguntava se ele estava bem e me respondia que sim. Só queria voltar a escutar sua voz”, disse sua irmã Idako.

Ao deixar a prisão, no entanto, Hakamada voltou a sorrir. “Obrigado, muito obrigado de verdade a todos que me ajudaram”, disse o réu. “Estou muito feliz.

De acordo com o Ministério da Justiça do Japão, há 129 casos de condenados no corredor da morte. Ao lado dos EUA, o país asiático é a única democracia industrializada com a pena capital prevista em seu sistema judiciário. / AP

Tudo o que sabemos sobre:

Japãopena de morte

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: