Live blogging: discurso sobre o Estado da União
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Live blogging: discurso sobre o Estado da União

Luiz Raatz

27 de janeiro de 2010 | 23h14

obama_union

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fez na noite desta quarta-feira, 27, seu primeiro discurso sobre o Estado da União.  No discurso, o presidente falou principalmente de economia e de sua agenda doméstica, pedindo a aprovação da reforma no sistema de saúde. Obama também pediu união entre republicanos e democratas para discutir assuntos de interesse do país.

O pronunciamento, que foi transmitido em horário nobre na TV americana,  teve também uma estratégia de divulgação na internet. Ele foi exibido online pelo site da Casa Branca. Um grupo de discussão foi aberto no Facebook sobre o tema. Além disso, os cidadãos americanos puderam enviar perguntas a Obama pelo You Tube. O Radar Global acompanhou ao vivo o discurso de Obama. veja como foi o pronunciamento:

23h17: A Casa Branca antecipou alguns trechos do discurso do presidente. Obama deve abordar os efeitos da crise econômica do ano passado e o projeto de reforma no sistema de saúde, que ainda precisa ser aprovado no Congresso americano. Além disso, o presidente deve defender que republicanos e democratas trabalhem juntos para reduzir o ‘déficit de confiança’ entre os partidos.

23h30: O jornal “The New York Times” publicou o comentário de alguns leitores sobre o que eles esperam do discurso de Obama. O texto está disponível aqui. (em inglês)

23h36: A Constituição americana prevê que o presidente preste contas ao Congresso sobre o Estado da União de tempos em tempos. Em ocasiões especiais, o chefe de Estado pode convocar uma sessão conjunta do Congresso. O presidente também faz um discurso inaugural após a posse às duas câmaras do Congresso. O primeiro discurso sobre o Estado da União foi feito por George Washington, em 8 de janeiro de 1790, em Nova York.

23h44: Os senadores, liderados pelo vice-presidente Joe Biden, que preside o Senado, já chegaram ao Capitólio. A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, também está na sede do Legislativo.

23h47: Neste link, você pode acessar outros discursos sobre o Estado da União dos presidentes George W. Bush, Bill Clinton e George H. Bush, além do pronunciamento feito por Obama a uma sessão conjunta do Congresso após a posse no ano passado.

23h51: O Washington Post traz uma página com ‘tweets’ feitos por deputados diretamente do Capitólio. O discurso também já está no ‘trending topics’ (assuntos mais comentados) do Twitter.

23h55: O presidente da Suprema Corte, John Roberts, e outros membros do Tribunal também estão no Capitólio, que reunirá nesta noite os líderes dos três poderes dos Estados Unidos.

23h56: A primeira-dama, Michelle Obama, chega ao Capitólio.

23h57: O secretariado de Obama adentra o Hall. A secretária de Estado, Hillary Clinton, em viagem oficial ao Reino Unido, é a única ausente.

0h06: Obama é anunciado e entra no Congresso.

00h10: Obama agradece os aplausos e é apresentado por Pelosi.

00h11:  Obama começa lembrando de momentos difíceis na história dos EUA, mas diz que a América prevaleceu por ter enfrentado os problemas unida. O primeiro tema abordado pelo presidente é a economia. “O pior da tempestade passou, mas a devastação continua”, diz sobre a crise econômica mundial.

00h15: O presidente diz que para muitos americanos a mudança que ele prometeu não chegou rápido o suficiente.

00h17: Americanos merecem que republicanos e democratas trabalhem suas diferenças, na esperança de dar a eles um futuro melhor. “Nunca estive mais esperançoso de um futuro melhor do que nesta noite”, afirma. “Nossa união é forte. Nós não desistimos. Os americanos merecem um governo à altura de sua decência”.

00h19: “Nós todos odiamos o resgate aos bancos. Eu odiei. Vocês odiaram. Quando eu concorri prometi não fazer o que era popular, mas o que era necessário”, acrescenta o presidente.

00h21: Obama fala do imposto que propôs para recuperar o dinheiro gasto para resgatar os bancos que correram risco durante a crise e é bastante aplaudido. O presidente acrescenta que cortou impostos principalmente para a classe média e para americanos menos favorecidos. Segundo ele, o plano de estímulo de US$ 787 bilhões aprovado no ano passado evitou que 2 milhões de americanos entrassem na fila do desemprego.

00h24: Obama diz que a criação de empregos será sua prioridade este ano e promete propor uma nova lei contra o desemprego. “A melhor forma de criar emprego é a iniciativa privada e o governo deve incentivar isso”. O presidente propõe incentivos fiscais para pequenos negócios e diz que pretende investir em infraestrutura.

0h28: Um dos projetos é construir novas linhas de trem de alta velocidade e desenvolver empregos vinculados ao uso de  energia renovável. Obama sugere também conceder benefícios fiscais  para empresas que mantenham empregos nos EUA. “Quero uma lei para impulsionar a criação de empregos na minha mesa rapidamente”, diz.

0h30: “A Alemanha e a China não estão esperando o pior passar. Estão investindo. E eu não aceito que os EUA fiquem em segundo lugar”.

0h32: Obama diz que é hora de resolver os problemas que atrasam o crescimento dos EUA. “Não quero punir os bancos, mas precisamos de um sistema financeiro saudável”, afirma. O presidente diz que é necessário também investir em pesquisa e desenvolvimento. “A melhor área para investir nisso é a energia”.

0h35: “Precisamos de uma nova geração de usinas nucleares seguras. Precisamos buscar petróleo e gás em plataforma marítimas, além de biocombustível e precisamos aprovar uma lei que limite emissões”.

0h37: “Mesmo que você duvide do aquecimento global, a nação que liderar a produção de energia limpa no futuro será a nação que liderará a economia mundial”, acrescenta Obama.

0h38: Obama propõe dobrar as exportações americanas em cinco anos e diz que o país precisa buscar novos mercados agressivamente.

0h39: O presidente afirma também que para fazer os EUA crescerem é necessário investir em educação.

0h42: Obama começa a falar da necessidade de uma reforma do sistema de saúde. O presidente diz que reconhece não ter sabido explicar o plano ao povo americano. “Não vou deixar os americanos que precisam de um plano de saúde na mão”, diz. “Gostaria que todos olhassem a nossa proposta com carinho. E se tiverem ideias melhores, que me deixem saber. Vamos fazer isso”.

0h51: Falando do déficit americano, Obama diz que grande parte do rombo foi herdada do governo anterior, mas admite que teve que aumentar o déficit devido à crise. Agora, o presidente propõe congelar gastos públicos para amenizar o buraco nas contas públicas americanas.

1h00: Obama pede que os partidos Democrata e Republicano deixem as diferenças de lado. “Washington precisa parar de se comportar como se cada dia fosse dia de eleição. Estamos aqui para servir nossos cidadãos, e não a nossas ambições. Vamos mostrar ao povo americano que podemos fazer isto juntos”.

1h05: Obama começa a falar de segurança nacional. Segundo o presidente, milhares de militantes da Al-Qaeda foram mortos ou presos no ano passado. Obama diz também que a estratégia de aumentar as tropas no Afeganistão vai funcionar e reafirma o compromisso com a retirada total de tropas do Iraque.

1h10: Obama fala do novo tratado de redução de armas nucleares com a Rússia e critica países com programas nucleares polêmicos, como o Irã e Coreia do Norte. “Eles irão entrentar as consequências cedo ou tarde”.

1h11: Obama faz uma menção aos soldados que trabalham pela ajuda humanitária às vítimas do terremoto no Haiti. ” Os EUA estão sempre do lado da dignidade humana”.

1h19: O presidente encerra apelando para valores e ideais que formaram os EUA.  “Prometi mudança na campanha. E sei que muitos americanos duvidam disso hoje. Mas eu nunca disse que a mudança seria fácil e que eu conseguiria fazê-la sozinho”. Obama também admite alguns erros durante seu primeiro ano. “Nossa administração teve alguns contratempos. E alguns foram merecidos. Mas apesar disso o espírito de determinação do povo americano sobrevive”, acrescenta. “Eu não desisto. Deus abençoe vocês e os EUA”.

Tudo o que sabemos sobre:

discurso sobre o Estado da UniãoEUAObama

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: