Live blogging – Revolta popular na Líbia
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Live blogging – Revolta popular na Líbia

Redação Internacional

23 de fevereiro de 2011 | 12h18

As manifestações pela queda do ditador Muamar Kadafi completaram o décimo sétimo dia na Líbia. Acompanhe aqui no Radar Global o desenrolar da crise:

************************* QUINTA-FEIRA, 3********************

21h00: Moradores de Trípoli dão uma ideia de como está difícil sobreviver na capital líbia. Segundo eles, o preço do arroz subiu cerca de 500% e o saco de 5 kg do alimento custa cerca de US$ 40. A maioria dos açougues está fechada e as padarias vendem no máximo cinco pães por família.

19h32: Os rebeldes estão se organizando e recebendo treinamento de militares desertores para enfrentar Kadafi em Trípoli. Mais informações sobre a formação de milícias aqui.

18h59: “Vão embora, não vou falar com vocês!”

Palavras da enfermeira ucraniana de Kadafi, Halyna Kolotnytska, que deixou a Líbia após o início dos protestos, a jornalistas que a procuravam para uma entrevista. Ela está em sua casa, em Brovary, perto de Kiev.

O WikiLeaks publicou documentos no final de 2010 revelando segredos da relação do ditador líbio com a enfermeira. Os dois eram bastante próximos e é possível que mantinham um romance, o que não ficou provado.

18h41: Segundo relatos da Al-Jazira, há mercenários conratados por Kadafi atuando como guardas-costa de hospitais. Em vez de proteger os médicos, porém, eles os ameaçam, os impedem de tirar fotos dos feridos e somem com cadáveres para reduzir o número final de mortos. Os mercenários prendem qualquer médico registrando imagens dos feridos.

18h12: Segundo a correspondente da Al-Jazira em Benghazi, o povo líbio está feliz com as condenações internacionais sobre as ações de Kadafi, mas a população quer ver ações concretas contra o ditador. Eles não querem soldados estrangeiros no país, mas medidas como uma zona de exclusão aérea.

17h40: A embaixadora dos EUA na ONU, Susan Rice, disse que “o fato de Kadafi rir durante uma entrevista com jornalistas estrangeiros enquanto ele está assassinando seu próprio povo mostra o quanto ele é inapto a liderar o país e o quão fora da realidade ele está”.

16h17: O departamento do Tesouro dos EUA congelou US$ 30 bi em bens líbios no país

16h02: Em entrevista à rede de TV americana ABC, Kadafi diz que o Ocidente o abandonou. “Estou surpreso porque tínhamos uma aliança com o Ocidente para lutar contra a Al-Qaeda, e agora que estamos lutando contra terroristas, eles nos abandonaram”, disse. “Talvez eles queiram ocupar a Líbia.”

14h30: Pentágono anuncia que reposicionará tropas perto da fronteira líbia. “Temos gente trabalhando em vários planos de contingência e acredito que é seguro dizer, que como consequência disso, estamos reposicionando forças para serem mais flexíveis. Assim, uma vez que as decisões sejam tomadas, podemos dar opções”, disse o porta-voz do Pentágono David Lapan

14h24: Os EUA enviarão duas equipes de ajuda humanitária às fronteiras da Líbia e com o Egito

12h48: Porta-voz da Casa Branca diz que o exílio é uma opção para Kadafi

12h46: Segundo a Al-Jazira, Kadafi nomeou chefe de inteligência para negociar com rebeldes

12h02: De acordo com a CNN, o local atacado pela Força Aérea líbia em Ajdbabiya é uma base militar

11h48: Em discurso no Conselho de Direitos Humanos da ONU, Hillary Clinton diz que Kadafi deve deixar o poder

11h33: A CNN diz que a cidade líbia de Ajdbabiya foi bombardeada pela Força Aérea

11h04: A UE diz que Kadafi perdeu o controle das principais jazidas de petróleo e gás da Líbia

11h01: De acordo com a Reuters, 400 pessoas protestam contra Kadafi em um bairro de Trípoli

9h53: Chefe da diplomacia da UE, Catherine Ashton, diz que bloco adotará sanções contra Líbia ainda hoje

9h31: O ministro de Relações Exteriores da Alemanha propõe uma moratória de 60 dias em transferências financeiras para a Líbia

*******************SEGUNDA-FEIRA, 28**************

21h56: Saif al-Islam Kadafi, um dos filhos do ditador, disse que quer negociar tréguas com manifestantes até o sábado e admitiu que o país precisa de reformas. Ele, porém, avisou que os rebeldes que se renderem ficarão ilesos.

21h09: Palavras do embaixador Líbio nos EUA:

“Espero que acabe logo. Morto, vivo, não importa. Queremos ele fora da nossa vida na Líbia”.

20h57: Shalgam, após fazer o discurso na ONU, seguiu seus companheiros de delegação e desertou, segundo fontes diplomáticas. É mais um que deixa Kadafi. O coronel perde mais apoio.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

20h02: Momento de emoção na ONU. Antes de Ban Ki-moon, o embaixador da Líbia na ONU, Mohamed Shalgham, falou. O diplomata, que considera Kadafi seu amigo, pediu o fim da violência. Ele é o único da missão líbia na ONU que não renunciou e se disse “com o ditador”.

“Eles estão pedindo liberdade. Estão pedindo seus direitos. Eles não jogaram uma única pedra e foram mortos. Peço ao meu irmão Kadafi: deixe os líbios em paz”

Ao fim do discurso, Shalgham foi abraçado pelo embaixador-adjunto, Ibrahim Dabbashi, que estava em lágrimas. Depois, ele foi cumprimentado por outros diplomatas e pelo secretário-geral.

19h20: Veja aqui mais informações sobre o pronunciamento de Ban Ki-moon e sobre os planos do Conselho de Segurança da ONU.

19h11: O  Conselho de Segurança já tem o rascunho de uma resolução contra a Líbia. O texto será votado no sábado. Aparentemente, a resolução deve impor medidas como embargos, restrições a viagens, congelamento de bens e ativos e ações econômicas. O texto não faz menções a intervenções militares. Vale lembrar que o Brasil é o atual ocupante da presidência rotativa do Conselho de Segurança da ONU.

18h37: Ban Ki-moon falou na Assembleia Geral da ONU:

“22 mil fugiram para a Tunísia e 15 mil foram para o Egito. Os países vizinhos devem manter suas fronteiras abertas.”

“É hora de agir. Perder tempo é perder vidas”.

“Vou a Washington na segunda-feira para falar com o presidente Barack Obama sobre a situação na Líbia.”.

“Já é hora de o Conselho de Segurança considerar ações concretas. As próximas horas serão decisivas para os líbios”

18h12: O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu que o Conselho de Segurança aja rápido na proposição de um pacote de sanções contra a Líbia. “Já é hora de o Conselho considerar uma ação concreta. As próximas horas e os próximos dias serão decisivos para os líbios”.

17h59: A Al-Jazira reproduziu um comunicado divulgado pela Médicos Sem Fronteiras pedindo que mais médicos e mais medicamentos fossem enviados aos hospitais líbios.

17h48: O governo do Chade está negando que seus cidadãos estão entre os mercenários contratados por Muamar Kadafi para disparar contra a população na Líbia. Os relatos apontavam que os mercenários vinham do Chade e do Níger.

16h51: A Casa Branca anunciou também que a já limitada cooperação militar com Trípoli será reduzida e que os EUA defendem a suspensão da Líbia da ONU

16h40: A Casa Branca anuncia que vai impor sanções à Líbia.

16h23: OS EUA suspenderam as operações da embaixada em Trípoli. Um voo com cidadãos americanos no país deixou Trípoli

15h44: Mais sobre a deserção da missão Líbia na ONU aqui

15h15: Ainda de acordo com Dabashi, milhares de pessoas já morreram nos confrontos na Líbia, e não centenas.

15h13: “O fim do regime está próximo. Peço a todos nossos diplomatas que não obedeçam nenhuma instrução de Trípoli e deixem os países saberem que representam o povo”, disse o embaixador-adjunto nas Nações Unidas, Ibrahim Dabashi, que afirmou representar toda a delegação.

15h07: A missão líbia nas Nações Unidas desertou e convocou todas as embaixadas do país pelo mundo a deixar de responder as instruções de Kadafi.

14h51 – Mais sobre a decisão do Conselho de Direitos Humanos da ONU sobre a Líbia.

O órgão, antes de mais nada, condenou a violência no país e pediu investigações sobre possíveis crimes de guerra cometidos em meio à brutal retaliação das tropas de Kadafi contra os manifestantes. O Conselho também pediu que a comunidade internacional ‘aja com vigor’ ante a odnad e violência no país africano.

14h34: A União Europeia anunciou que também deve enviar mais de US$ 4 milhões em ajuda humanitária à Líbia. Clique aqui para saber mais sobre a ajuda, que inclui remédios e alimentos, e sobre as sanções planejadas pelo grupo europeu.

14h21: O embaixador da Líbia em Portugal também renuncia em protesto às ações de Kadafi.

14h19: Mais informações sobre o discurso do Kadafi.

Erguendo o punho no ar, o ditador pediu aos seus seguidores que “retaliem e preparem para defender a nação e o petróleo”.

“Vamos continuar lutando. Vamos derrotá-los. Morreremos em solo líbio”, disse o coronel. “Estamos prontos para triunfar sobre o inimigo. Vamos derrotar qualquer investida estrangeira”.

14h01: Muitas novidades ao mesmo tempo:

1) O Conselho de Direitos Humanos da ONU condenou a Líbia e ordenou investigações sobre os ocorridos no país.

2) A União Europeia concordou em impor sanções e bloquear os bens de Kadafi.

3) Kadafi apareceu na Praça Verde, onde falou a seus apoiadores. O coronel disse que “está pronto par atriunfar sobre o inimigo” e que vai proteger a indústria petroleira do país.

13h52 – Alguns líbios deixaram as mesquitas do país antes do fim do período de rezas nesta sexta-feira. Eles não aceitam os sermões, produzidos pelo governo.

13h45 – Opositores tomaram o controle da cidade de Brega, também na região leste do país, e do terminal petrolífero do local, segundo a CNN.

12h38: Um dissidente líbio que estava sendo entrevistado ao vivo pela Al-Jazira sobre as passeatas em Trípoli foi interrompido no ar. “Você não pode falar com a Al-Jazira me dê o telefone”,  gritou uma segunda pessoa e  a linha caiu.

12h03: Nicolas Sarkozy, segundo a AFP: “Kadafi deve sair”

11h51: De acordo com a oposição a Kadafi, cerca de 30 mil pessoas estão reunidas na praça verde de Trípoli. Estes dados não podem ser confirmados de maneira independente.

11h42: O embaixador da Líbia no Conselho de Direitos Humanos rompe com Kadafi e proclama-se ‘representante do povo’. Toda a missão líbia no conselho de direitos humanos da ONU renunciou durante a sessão

10h52: A maior base aérea de Trípoli se juntou aos manifestantes, diz a Al-Jazira

10h16:  Segundo moradores do distrito de Janzour, ao menos cinco pessoas morreram em ataque de mercenários de Kadafi ao bairro

9h49: São ouvidos os primeiros tiros contra manifestantes em alguns bairros de Trípoli, dizem moradores à AFP. A oposição prepara uma grande marcha para depois das orações de sexta-feira, sagradas para o Islã.

9h38: O procurador-geral da Líbia Abdelrahman al-Abar deixou o cargo e aderiu à oposição

8h50: Há prostetos nesta sexta-feira na Líbia, Egito, Bahrein, Iêmen, Iraque e Marrocos.

8h12: Filho de Kadafi, Saif, diz à CNN, que sua família tem a intenção de “viver e morrer na Líbia”. “O Plano A é viver e morrer na Líbia. O Plano B é viver e morrer na Líbia. O Plano C é viver e morrer na Líbia.”

************************ SEXTA-FEIRA, 24 DE FEVEREIRO****************************

22h37 – Encerramos o live blogging de hoje com uma situação inusitada. No dia em que Kadafi acusou Osama bin Laden e a Al-Qaeda de estarem por trás dos protestos na Líbia, a organização terrorista divulgou um comunicado deplorando o ataque contra civis muçulmanos.

A mensagem, porém, tem uma data antiga, que corresponde ao início de fevereiro, e é referente às revoltas no Egito.

22h11Mais informações sobre a conversa de Obama com Berlusconi, Sarkozy e Cameron.

Os líderes estariam preparando respostas para a situação na Líbia. Não ficaram claros detalhes sobre as discussões, msa tudo indica que eles devem tomar medidas para responsabilizar o governo pelo que está acontecendo.

21h30 – Obama terminou as consultas com lideranças da Itália, da França e do Reino Unido sobre a situação na Líbia e sobre as opções que os países Ocidentais têm para lidar com a crise. Em breve mais informações.

20h26 – Mais uma mostra da distância entre Muamar Kadafi e seus diplomatas. A bandeira da missão da Líbia na sede da ONU em Nova York não mais é a verde do coronel, mas a da era pré-Kadafi.

20h07 – Ahmed Gadhaf al-Dam, uma das maiores autoridades de segurança da Líbia – e primo de Kadafi, desertou na noite da quarta-feira, segundo a Al-Jazira. Em comunicado, ele afirmou que deixou o país “em protesto e para mostrar que não concorda” com as “graves violações de direitos humanos e leis internacionais”.

19h39 – Vídeo da Associated Press mostra confusão em Benghazi e, depois, manifestações da oposição a Kadafi. Os dissidentes tomaram boa parte das cidades do leste do país.

19h30 – O Conselho de Segurança da ONU planeja realizar uma nova reunião sobre Líbia na semana que vem, informaram diplomatas do órgão.

18h27 – Embaixador da Líbia no Brasil, Salem Ezubedi, disse à Agência Brasil que se recusa a ‘abandonar Kadafi’ e, assim como o coronel, acusou a Al-Qaeda de estar por trás das revoltas no país.

17h48 – A Reuters publicou uma nota afirmando que o preço do petróleo caiu devido a boatos entre os investidores de que Kadafi teria morrido. Os rumores chegaram à Casa Branca, e um funcionário de Washington afirmou que os EUA “não têm razões para acreditar na morte de Kadafi”.

A Reuters posteriormente afirmou que não sabe a origem dos boatos.

17h00 – O Itamaraty deu mais informações sobre a saída de brasileiros da Líbia. O navio que foi enviado a Benghazi, na Líbia, aguarda sua vez para atracar no pier. A embarcação levará brasileiros e estrangeiros para a Grécia. Além disso, um avião levará 400 brasileiros para Malta.

16h37 – Mustafa Abdel Galil, ex-ministro da Justiça que renunciou a três dias, disse à Al-Jazira que Kadafi tem a sua disposição armas biológicas e químicas e que o coronel líbio não hesitaria em usá-las. “Pedimos que a comunidade internacional e a ONU evitem que Kadafi prossiga com seus planos”.

16h19 – Obama ligará para o presidente da França, Nicolas Sarkozy, e para o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, para discutir a situação na Líbia. As informações foram passadas pelo porta-voz da Casa Branca, Jay Carney. Ele ainda disse que os EUA ‘não descartam’ nenhuma opção para responder à situação no país africano.

16h12 – Mais de 30 mil pessoas já deixaram a Líbia desde o início das revoltas, informa a Organização Mundial da Imigração.

15h41 – Vídeo da CNN mostra repórter americano sendo recebido como herói em Benghazi (em inglês).

“Sinto como se eu fosse um soldado americano entrando em Paris na Segunda Guerra Mundial. Por onde passávamos, eles nos cumprimentavam e nos chamavam de libertadores”.

15h33 – A cidade de Benghazi, a segunda maior da Líbia e uma das primeiras a ser dominada pelos manifestantes, lançou um novo jornal, independente, após Kadafi perder o controle do município. O exemplar pode até ser baixado.

15h28 – O Conselho de Direitos Humanos da ONU estuda excluir a Líbia do grupo. A moção é uma iniciativa de países europeus e deve ganhar o apoio dos EUA, segundo o Guardian.

15h16 – A Suíça ordenou o bloqueio dos bens de Kadafi e de seus parentes.

14h30: Kadafi afirmou que as revoltas no país são instigadas pela Al-Qaeda. “As reivindicações vêm de bin Laden”, disse o ditador referindo-se ao líder terrorista.

12h56: O embaixador líbio na Jordânia renunciou, diz a CNN

12h52: Um avião fretado pela construtora Odebrecht com 446 pessoas a bordo, incluindo 114 brasileiros, chegou nesta quinta-feira a Malta, no Mar Mediterrâneo, vindo da capital da Líbia, Trípoli

11h38: “Por favor, não me desapontem. Do contrário as pessoas farão justiça pelas próprias mãos e expulsarão esta nuvem negra do país”, diz Kadafi

11h37: O ditador diz que quatro pessoas foram mortas hoje na cidade e dá suas condolências às família

11h36: “Eu não me preocupo mais. Se vocês estão felizes com o caos, vocês que lidem com ele”

11h31: Inacreditável. Agora Kadafi diz que é apenas um líder simbólico e volta a se comparar com a rainha da Inglaterra

11h29: “Sou patriota e estou dando conselhos familiares a vocês. Não tenho autoridade para assinar leis, ou algo assim”. ” A rainha Elizabeth da Inglaterra também não tem essa autoridade”

11h27: “O fluxo de petróleo vai parar e a vida deixará de ser boa”, ameaça o ditador.  “As pessoas não terão como comprar casas, carros, casar e pedir dinheiro emprestado”

11h24: Segundo Kadafi, Osama Bin Laden estaria drogando a juventude líbia

11h22: “Vivemos uma vida boa na Líbia e não há do que reclamar. Isto é claramente influenciado por Bin Laden”

11h21:  “Por que vocês se envolveram com a mentalidade de Bin Laden”, diz Kadafi aos jovens. Ele volta a chamá-los de drogados e bêbados

11h20: “Você não vê pessoas de família nas ruas. Ninguém com bom senso e mais de 20 anos se envolveria nisso”

11h16: Kadafi começa a falar e volta a acusar os jovens de estarem drogados e bêbados

10h51: O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) Anders Fogh Rasmussen disse que a aliança atlântica não pretende intervir na Líbia militarmente

9h11: Avião com 4 brasileiro vindos da Líbia chega em São Paulo

9h02: A televisão estatal anunciou que Kadafi falará “em breve” à população de Zauiya

8h53: Alitalia anunciou que suspendeu todos os seus voos para a Líbia.

8h35: Confrontos se intensificam nas cidades de Misurata, Zuara e Zauiya, a oeste de Trípoli.

8h25: A rede Al-Jazira informa que a cidade de Zauiya, no oeste da Líbia, está nas mãos dos oposicionistas, após confronto com mercenário.

************************ QUINTA-FEIRA, 24 DE FEVEREIRO****************************

22h31 – O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, P.J. Crowley, disse que os americanos que estavam no país estão prontos para sair. O navio que foi resgatá-los deve deixar o país em breve, quando a maré baixar.

21h45 – Os brasileiros que estão na Líbia devem voltar ao País na quinta-feira.

20h10 – Mais sobre o discurso de Obama:

“Os direitos humanos são inegociáveis e devem ser respeitados”.

“Norte, sul, leste e oeste estão unidos e falando em uma só voz em apoio ao povo líbio e suas reivindicações”.

“A Líbia não é uma preocupação só dos EUA. O mundo todo está vendo o que está acontecendo”.

19h42 – Obama condenou o ‘desnecessário derramamento de sangue’ na Líbia e elevou o tom contra Kadafi, dizendo que os EUA estão preparando várias opções para lidar com a situação violenta no país africano.

19h02 – Kadafi cai em ‘questão de dias’, diz ex-enviado da Líbia à Liga Árabe.

18h25 – Antonio Patriota (chanceler brasileiro), Hillary Clinton (secretária de Estado dos EUA) e Ban Ki-moon (secretário-geral da ONU) se pronunciaram novamente sobre a violência na Líbia nesta quarta.

Ban chamou a repressão do governo de “violações brutais” dos direitos humanos e disse que “os responsáveis pelo derramamento de sangue de inocentes devem ser punidos”.

Hillary pediu que os cidadão americanos que estão na Líbia deixem o país imediatamente. “Esse é o momento para a comunidade internacional agir em conjunto para enviar uma mensagem clara ao governo da Líbia que a violência é inaceitável e que as autoridades serão responsabilizadas pelas decisões que estão tomando”.

Patriota, que estava ao lado da americana, por sua vez, novamente expressou preocupação com a situação no país do norte da África, mas acrescentou que “é positivo” que não houve violência contra estrangeiros no país.

18h16 – O presidente dos EUA, Barack Obama, falará sobre a Líbia às 19h15 (no horário de Brasília).

17h52 – Segundo a Le Point Magazine, que cita um médico francês, mais de 2 mil pessoas morreram em Benghazi. A fonte disse que entre os mercenários atacando a população há indivíduos do Chade e do Níger. O canal Al-Arabiya contabiliza 10 mil mortos. Os números não podem ser confirmados.

17h11 – Saif Kadafi, filho do coronel, apareceu na televisão novamente para tranquilizar os líbios. “A vida segue normal. Os portos, as escolas, os aeroportos estão todos abertos. O problema reside nas regiões do leste”, disse, pedindo a “união nacional dos líbios nesta batalha”.

16h44 – O tabloide sueco Expressen publicou nesta quarta uma entrevista com Mustafa Abdel-Jalil, ex-ministro da Justiça da Líbia, na qual o ex-membro do gabinete de Kadafi afirma que o ditador ordenou a realização do atentado terrorista contra um avião em Lockerbie, na Escócia, em 1988.

Na ocasião, o líbio Abdel Baset al-Megrahi detonou explosivos colocados em um Boeing 747 quando a aeronave passava sobre a cidade escocesa. Todas as 259 pessoas a bordo do avião morreram, assim como 11 pessoas atingidas por destroços. Al-Megrahi havia sido condenado à prisão perpétua, mas o Reino Unido o libertou por motivos de “compaixão” em 2009.

16h17 – As cidades de Kufra, Benghazi, Tobruk, Ajdabiya e Derna (todas no leste do país), Zliten e Misrata (perto da capital Trípoli), estariam sob controle das forças de oposição, segundo informações de jornais estrangeiros e agências de notícias. Membros do governo que renunciaram disseram que Kadafi “perdeu o controle de todo o lado leste do país”.

15h41 – O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, disse que o presidente Barack Obama condena a violência na Líbia. Obama, que não se pronunciou pessoalmente sobre a crise no país do norte da África, deve fazer um discurso nesta quarta ou na quinta.

15h09 – Imagem registrada em Benghazi nesta quarta mostra militares que se uniram aos protestos. Ao fundo, à direita, veículo carrega a bandeira da Líbia referente ao período anterior à ascenção de Kadafi ao poder.

15h01 – Assim como a União Europeia, os EUA estão considerando sanções sobre a Líbia devido a repressão de Kadafi aos protestos, segundo o porta-voz do Departamento de Estado, P.J. Crowley. O representante, porém, afirmou que nenhuma decisão foi tomada e que há uma ampla gama de medidas que podem ser tomadas.

14h50 – A alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, disse à Associated Press que uma zona de exclusão aérea (no fly zone, em inglês) poderia ser imposta sobre a Líbia para coibir os ataques com caças e helicópteros sobre os manifestantes.

14h38 – Nour al-Masmari, ex-chefe de cerimonial de Kadafi, disse à Al-Jazira que ele renunciou ao cargo porque era a atitude mais “humana” que poderia tomar mediante as ações do líder líbio, o que considerou como “genocídio”.

“Kadafi está usando mercenários não porque quer usá-los, mas porque ele não pode usar o Exército. Não pode poder que militares são líbios e são fiéis e honestos com o povo. Eles não podem matar a si próprios. Kadafi não confia nem nos seus próprios guardas”.

14h12 – Ainda segundo o Guardian, um ministro líbio informou que jornalistas que entraram na Líbia ilegalmente são “criminosos”. A Líbia mantém a imprensa sob forte controle estatal e não permite que profissionais de fora atuem no país sem uma permissão especial.

14h01 – Um oficial da Força Aérea da Líbia disse ao Guardian ter testemunhado a chegada de cerca de 4 mil mercenários em aviões de transporte. Cada um carregava cerca de 300 homens armados.

Houve relatos entre os moradores de Trípoli e Benghazi de que o governo estaria contratando mercenários para disparar contra a população indiscriminadamente. Fontes médicas disseram várias vezes que muitos dos feridos que chegavam aos hospitais tinham ferimentos a bala.

13h53 – Um jornal da Líbia informou que um avião militar do país caiu ao sul de Benghazi após os pilotos se recusarem a cumprir ordens de bombardear a cidade. Não ficou claro se a aeronave foi abatida ou sofreu um acidente.

13h46 – A Federação Internacional pelos Direitos Humanos (IFHR, na sigla em inglês), informa que ao menos 640 pessoas morreram desde que os protestos começaram, há oito dias. O número é mais que o dobro das 300 vítimas contabilizadas pelas autoridades líbias.

13h00: O preço do barril de petróleo do tipo Brent, negociado em Londres, já superou os US$ 110 com a crise Líbia. É a maior cotação desde a crise de 2008.

12h22: De acordo com o jornal líbio Quranya – que não é estatal – um capitão e seu copiloto abandonaram o caça Sukhoi-22 da Força Aérea Líbia em pleno voo por se recusarem a bombardear a cidade de Benghazi, principal reduto dos manifestantes. Os militares saltaram de paraquedas e o avião caiu perto da cidade de Ajdabiya.

Tudo o que sabemos sobre:

LíbiaMuamar Kadafiprimavera árabe

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: