Live blogging: Terremoto no Japão
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Live blogging: Terremoto no Japão

Luiz Raatz

11 de março de 2011 | 08h45

O Japão foi atingido por um terremoto de magnitude 8,9 nesta sexta-feira, 11.  Mais de mil morreram e o tsunami que se seguiu ao tremor afetou áreas no nordeste do país. O governo japonês declarou estado de emergência em uma usina nuclear próxima do epicentro, e posteriormente uma outra foi colocada em alerta. Ao menos 20 países banhados pelo Oceano Pacífico emitiram alertas para as ondas gigantes.  Acompanhe no Radar Global os últimos desdobramentos da tragédia.

DOMINGO, 13 DE MARÇO

16h55: Especialistas ouvidos pela Reuters dizem que os riscos de saúde provenientes da contaminação pelos reatores nucleares atingidos pelo terremoto parecem baixos e os ventos devem levar toda a radiação para o Pacífico, sem ameaçar outros países.

“Não é um problema grave de saúde pública no momento,” disse Malcolm Crick, secretário do Comitê Científico de Efeitos de Radiação Atômica da ONU.

16h18: O New York Times (@nytimes) produziu um infográfico mostrando imagens de satélite de várias cidades japonesas antes e depois do terremoto e do tsunami. O poder de destruição do sismo e da onda são impressionantes.

15h46: Uma das duas bombas de resfriamento do reator da usina nuclear de Tokai Dai-Ni parou de funcionar depois do terremoto de sexta-feira, informou a Japan Atomic Power Co., operadora da instalação atômica.

Apesar da falha no funcionamento da bomba, a companhia assegurou que o reator opera normalmente e não há risco de vazamento de radiação. A usina de Tokai Dai-Ni situa-se 120 quilômetros ao norte de Tóquio.

14h07: Novo balanço oficial das vítimas do terremoto no Japão: 1.579 mortos, 1.481 desaparecidos e 1.923 feridos.

14h05: A Bolsa de Valores de Tóquio reabrirá na segunda-feira, segundo a Reuters. De acordo com o governo, o mercado de ações operará normalmente, mas sob fiscalização das autoridades para assegurar que não haja manipulação.

13h54: Informações sobre as montadoras de automóveis.

A Toyota informou que suspenderá as operações em suas 12 fábricas no Japão na segunda-feira. A Nissan paralisará suas três fábricas – duas delas sofreram danos com o tremor.

13h10: Um idoso de 65 anos foi resgatado dois dias após o terremoto e o tsunami. Ele usou o telhado de sua casa como jangada e estava a 15 km da costa do Japão no momento em que foi salvo.

12h57: Novo balanço oficial de vítimas do terremoto do Japão: 1.353 mortos, mais de 1.700 feridos e 1.085 desaparecidos. O governo informou que o número de fatalidades aumentará.

11h45: O governo emitiu um alerta de estado de urgência na região próxima à usina de Onagawa, no nordeste do país, um pouco ao norte de onde estão situadas as usinas de Fukushima. O nível de radiação detetado na área foi registrado como acima do normal, mas os reatores estão sob controle, segundo a Agência Internacional de Energia Atômica. As autoridades tentam detectar qual é a fonte da radiação.

11h34: Desde o grande tremor da sexta-feira, (de magnitude 8,9 na escala Richter) 303 réplicas atingiram o Japão. Nenhuma teve magnitude superior a 8,0, mas os movimentos sísmicos seguem ativos na região.

De acordo com a CNN, 91 réplicas tiveram magnitude baixa, de 4,0 a 4,9. A maioria dos tremores – 183 – está na faixa intermediária, de 5,00 a 5,9. De força moderada, na faixa entre 6,0 e 6,9, foram 28 réplicas. Apenas uma, considerada forte, teve magnitude entre 7,0 e 7,9.

11h26: Os governos de EUA e França emitiram alertas para seus cidadãos que planejavam viajar ao Japão ou já estão em solo japonês.Washington pediu que os americanos que desejavam visitar o país adiem suas viagens, enquanto Paris recomendou aos seus cidadãos que vivem nas regiões próximas à área afetada pelo terremoto e pelo tsunami que deixem o local.

11h11: O governo japonês aprovou um plano de racionamento de energia. O programa deve começar na segunda. Os cortes de energia durarão três horas cada.

10h35: Alguns números da tragédia no Japão:

Mais de 350 mil pessoas tiveram de deixar suas casas.

100 mil militares foram mobilizados pelo governo para ajudar nos trabalhos de resgate.

2,5 milhões de casas estão sem energia elétrica.

Dezenas de milhares de pessoas se abrigaram em escolas e ginásios.

Quase 21 mil casas e prédios foram destruídos pelo terremoto e pelo tsunami.

Prejuízo do terremoto pode ser entre US$ 14,5 bilhões e US$ 34,6 bilhões.

Na escala de 0 a 7, acidente nuclear é classificado como 4.

10h23: A Nissin, maior produtora de macarrão instantâneo do Japão, doará um milhão de pacotes do alimento às vítimas da tragédia. A empresa também vai disponibilizar “carros-cozinha” para preparar as refeições.

A Suntory, produtora de bebidas, enviará 360 mil garrafas às regiões mais afetadas.

10h12: Um pequeno resumo do que ocorreu no Japão durante a nossa madrugada:

O total de fatalidades, segundo o balanço oficial do governo, já ultrapassa 1.200. As autoridades, porém, estimam que o número de mortos possa chegar a 10 mil.

O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, descartou um desastre nuclear de maiores proporções, mas afirmou que a crise pela qual o país passa é a pior desde a Segunda Guerra Mundial, quando o Japão foi arrasado pelas bombas atômicas americanas.

Um dos reatores da usina de Fukushima já foi danificado, o que causou um pequeno vazamento de material radiativo. O governo luta agora contra um segundo acidente em outro dispositivo para evitar uma catástrofe nuclear. té agora, 22 pessoas foram contaminadas pela radiação e estão sob acompanhamento.

**********************************************************

SÁBADO, 12 DE MARÇO

17h32: A Agência Internacional de Energia Atômica informou que o Japão confirmou que os níveis de radioatividade na região das usinas e Fukushima têm caído nas últimas horas.

17h08: A Tepco, administradora da usina de Fukushima, tem histórico de escândalos no JapãoMaior empresa elétrica do país, ela é acusada de fraudar fiscalização de suas instalações.

               

Tudo o que sabemos sobre:

JapãoTerremoto no Japão

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: