As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Marrocos proíbe que crianças recebam nome de Osama bin Laden ou Saddam Hussein

Segundo ministro do Interior, escolha de nomes polêmicos pode causar 'pertubações no entorno familiar e social'

Redação Internacional

30 de março de 2016 | 09h54

RABAT – O governo do Marrocos não permitirá que crianças sejam batizadas com nomes como “Saddam Hussein” ou “Osama bin Laden”, ou outros que “atentem contra a moral e a ordem pública”, afirmou o ministro do Interior, Mohammed Hasad.

Na segunda-feira 28, o ministro fez uma exposição dos princípios que regem as questões onomásticas no estado civil, em resposta a uma pergunta parlamentar feita pelo grupo socialista da Câmara, segundo publicou nesta quarta-feira, 30, o jornal “Asabah”.

binladen

Para o ministro, dar “liberdade absoluta” aos cidadãos para nomear seus filhos poderia causar “perturbações no entorno familiar e social”. Ele deu como exemplo acontecimentos no mundo que podem produzir um entusiasmo e levar os pais a escolher nomes com conteúdo político ou extremista. “O entusiasmo desaparece com o tempo, mas o nome fica”, afirmou o ministro.

Outras regras. Hasad justificou a recusa dos funcionários de aceitar nomes berberes porque apesar de terem um significado no dialeto de uma região, em outras regiões têm conotações animais ou sexuais.

A dificuldade na hora de escolher nomes próprios berberes é uma das queixas mais frequentes do movimento berbere no Marrocos, junto com os problemas para usar sua língua nas instituições públicas.

Por último, Hasad disse que tentará restringir ao máximo o uso de “Sidi”, “Moulay”, “Cherifa” e “Lala”, que costumam ser usados por famílias que pretendem ser merecedoras de um título de nobreza ou de dignidade religiosa. /EFE

Tudo o que sabemos sobre:

MarrocosOsama bin LadenSaddam Hussein

Tendências: