As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Menino desaparecido há 11 dias estava no porão da própria casa

Pai de Charlie foi informado do paradeiro do filho durante um programa de TV e está proibido de vê-lo

Redação Internacional

27 de junho de 2014 | 10h10

(Atualizada às 16h28) A busca de 11 dias em Detroit pelo menino Charlie Bothuell V, de 12 anos, teve um final inesperado na quarta-feira 25, quando o pai da criança, Charlie Bothuell IV, foi informado em uma entrevista para o programa HLN que o filho havia sido encontrado vivo no porão da casa.

O pai ficou perplexo e confuso. Questionado se havia procurado a criança antes de reportar o seu desaparecimento, Bothuell disse que todos procuraram no local. “Eu procurei no porão, minha mulher procurou no porão, o FBI procurou, a polícia procurou. Eu desci lá várias vezes”, afirmou.

Ao reportar o desaparecimento do filho no dia 14, Bothuell disse que ele estava fazendo a tarefa escolar por volta de 21h (horário local), saiu para usar o banheiro e não voltou mais.

O caso ganhou novos rumos quando o menino foi encontrado. Segundo o delegado James Craig, citado pela revista Time, Charlie V foi encontrado atrás de caixas e um tambor de plástico com capacidade para 5 litros. “Não há como ele ter erguido esses objetos para se esconder”, disse Craig ao canal XWYZ, filiado da CNN.

A polícia procurou no local pelo menos três vezes antes e não encontrou o menino, por isso não acredita que ele tenha ficado no porão desde o dia que desapareceu. Perto do garoto, foram encontrados roupas de cama, garrafas de refrigerante e cereais.

O menino passou por exames médicos e foi levado para a casa da mãe. A polícia proibiu o pai e a madrasta de Charlie V, Monique Dillard-Bothuell, de fazerem contato com ele enquanto investigam o que aconteceu nos 11 dias do desaparecimento da criança.

Dillard-Bothuell foi presa na quinta-feira 26, acusada de violar a liberdade condicional que cumpre por porte ilegal de arma. Nesta sexta-feira, 27, ela compareceu ao tribunal e foi condenada a pagar uma fiança de US$ 5 mil, assinar um termo de compromisso para comparecer ao tribunal sempre que for convocada e usar uma tornozeleira eletrônica.

O advogado do casal, Mark Magidson, afirmou que a prisão de Dillard-Bothuell foi “dissimulada” e a aconselhou a não conversar com investigadores sem a presença dele. Após a audidência, o pai do menino afirmou a repórteres que não poderia dizer o que sabe. “Eu tenho algo a dizer, mas não posso no momento.” / AP

Assista ao vídeo, em inglês, do momento em que o pai descobre onde está Charlie:

Mais conteúdo sobre:

desaparecimentoEUA