As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Métodos para adivinhar o futuro chamam a atenção na Tailândia

Muitos tailandeses acreditam nas previsões feitas pelos adivinhadores; um deles previa a queda do governo de Shinawatra

Redação Internacional

07 Julho 2014 | 11h54

BANGCOC – Uma folha de árvore, uma vara de incenso ou a espiral formada pelo vapor d’agua são algumas das extravagantes técnicas que os adivinhos tailandeses utilizam para descobrir os segredos do futuro e a alma das pessoas. Em um dos shoppings mais luxuosos de Bangcoc estão reunidos mais de 30 dos melhores adivinhadores da Tailândia para ler o futuro dos visitantes.

Tarô, cartas ciganas, astrologia e runas, muitas vezes combinadas, são outros dos objetos que ajudam os clarividentes a oferecer um serviço completo às pessoas interessadas “no desconhecido”. Os adivinhos presentes no encontro são “profissionais”, garantiu Anongnart Kooditthalert, que usa seus “dons” para revelar segredos por meio da leitura dos nervos das folhas de árvore que o cliente seleciona.

Grande parte da sociedade tailandesa acredita nas previsões feitas pelos adivinhadores, que em alguns casos têm fama e popularidade.

Durante os protestos em Bangcoc contra o governo da premiê Yingluck Shinawatra, o nigromante Wiroaj Grodniyomchai subiu em um dos palcos montados pelos manifestantes e profetizou a queda do Executivo em maio por motivos não relacionados às manifestações. Coincidência ou não, o Exército da Tailândia deu um golpe de Estado e tomou o poder em 22 de maio.

O mestre Urinem, Attaphol Noi Wong, decifra através dos números de telefone a alma das pessoas. “Ao contrário dos ocidentais, os tailandeses não se centram tanto em resolver problemas, eles preferem saber se a adivinha é capaz de investigar o passado”, explicou Wong à Agência Efe.

Enquanto as mulheres preferem o tarô, os homens são mais assíduos às técnicas de adivinhação tradicionais, como a leitura da palma das mãos, contou Urinem. “Voltarei ano que vem”, afirmou uma das pessoas que participava da feira, que antes da previsão assinalava que só acreditava “em 50% das premonições”.

O evento é beneficente e o objetivo é arrecadar fundos para a Cruz Vermelha tailandesa. A entrada mais barata é de 400 baht (cerca de US$ 12).

Nas ruas e mercados da Tailândia é comum encontrar nas calçadas futurólogos que fazem previsões no chão ou em pequenas mesas para a clientela, a maior parte assídua. A maioria dos tailandeses budistas combina a religião com crenças animistas e hindus que surgiram na sociedade dos antigos reinos anteriores à fundação de Siyam, vários séculos antes do nascimento de Buda. /EFE

Mais conteúdo sobre:

Tailândia