‘No photos’, o chavão de Bagdá
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘No photos’, o chavão de Bagdá

Redação Internacional

09 de março de 2010 | 00h11

 Em sua terceira passagem pelo Iraque, o fotógrafo Juca Varella constata que pouca coisa mudou na capital

 

 

Soldado iraquiano posa com fuzil: vaidade (Foto: Juca Varella/AE)

Soldado iraquiano posa com fuzil: vaidade (Foto: Juca Varella/AE)

 Em qualquer lugar do mundo o trabalho de repórter-fotográfico é difícil. Aqui em Bagdá é pior.   São dezenas de checkpoints todo dia. Policiais e soldados dizendo “no photos” a toda hora. Até nossos guias parecem estar a serviço do controle, nos dizendo o que pode e o que não pode ser fotografado, mesmo pelos vidros do carro.

Percebi nessas minhas três viagens ao Iraque que a polícia iraquiana não tem meio-termo. Ou te odeia ou te ama. Ou te aponta a AK-47 ou te convida a pôr as botas no capô  e subir na capota de um Humvee militar para fazer umas fotos pessoais. A sensação é a de que ou sorriem ou atiram em você. E assim vamos seguindo com nosso trabalho aqui na cobertura das eleições, entre uma explosão e outra.

Às vezes, mesmo mostrando passaporte e três ou quatro credenciais nos barram. Outras, basta dizer que somos brasileiros e mostrar a bandeirinha do Brasil que sempre carrego comigo para suspender a revista e abrir grandes portas.  Na verdade nossas câmeras são sempre vistas como armas, e realmente são: armas silenciosas de denúncia que às vezes fazem mais barulho do que os disparos de seus fuzis. (Juca Varella)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.