No Quênia, mulheres se juntam para abrir processo pela posse do terreno de uma das maiores favelas do país
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

No Quênia, mulheres se juntam para abrir processo pela posse do terreno de uma das maiores favelas do país

Redação Internacional

02 de outubro de 2013 | 18h06

Na justiça, mulheres vão alegar que a propriedade privada do terreno das favelas é uma das causas da falta de condições básicas para viver no local

NAIRÓBI – Um grupo de mulheres residentes da favela Mukuru, na capital do Quênia, Nairóbi, planeja entrar com ações na justiça em nome dos cerca de 400 mil habitantes da região para que a propriedade do terreno passe para os atuais moradores.

Em entrevista ao jornal The Guardian, uma das líderes do movimento, Dorice Bosibori Moseti, de 31 anos, afirmou que a propriedade privada do terreno impediu, até hoje, a construção de instalações sanitárias adequadas e desenvolvimento de melhores condições de moradia na região.

Isso seria um risco principalmente para mulheres, que são obrigadas a caminhar grandes distâncias para usar o banheiro, por exemplo, sujeitando-se ao risco de violência sexual.

“Morar em Mukuru é muito difícil. As mulheres vão em arbustos perto de suas casas para fazer suas necessidades e temos medo dessa situação”, afirmou. Outro argumento do grupo é que, como todo queniano, eles também têm direito à propriedade da terra e agora têm o dinheiro para melhorar suas moradias.

Uma das inspirações para a abertura dos processos pelas mulheres da favela Mukuru, previsto para ocorrer até o final desse ano, é outro processo aberto pela ONG Muungano wa Wanavijiji, em setembro, que pretende reaver a propriedade de edifícios que hoje pertencem a posseiros.

A expectativa é que os dois casos se complementem e mostrem aos juris as consequências negativas da propriedade privada – por empresas ou outras pessoas –  do terreno no qual uma favela está instalada.

 

Tudo o que sabemos sobre:

favelaQuênia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.