As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Nota da USAID sobre ‘Twitter cubano’

Redação Internacional

03 de abril de 2014 | 17h33

WASHINGTON – Reportagem da AP afirma que os EUA orquestraram a criação de um “Twitter cubano” por meio de mensagens de celular para estimular um levante contra o governo dos irmãos Castro. A iniciativa foi conduzida pela USAID, agência americana que auxilia projetos contra a pobreza em todo mundo.

O governo americano afirmou que o projeto foi realizado até 2012 e desenvolvido para aumentar o acesso dos cubanos à informação, mas negou que fosse algo clandestino.

Leia abaixo a íntegra da nota da USAID:

“É política permanente dos EUA ajudar os cubanos a aumentar sua habilidade de se comunicar entre si e com o mundo externo. Trabalhando com recursos fornecidos pelo Congresso justamente com esse propósito, a Usaid tem orgulho de seu trabalho em Cuba fornecendo assistência humanitária básica, promovendo os direitos humanos e liberdades universais, e ajudando a melhorar o fluxo de informações para o povo cubano. Todo o nosso trabalho em Cuba, incluindo esse projeto, foi revisado em detalhes em 2013 pelo Escritório de Responsabilidade do Governo que achou ser consistente com a lei americana e apropriado sob controle de supervisão. 

Também não é segredo que em ambientes hostis, os governos tomam medidas para proteger os parceiros com quem estamos trabalhando no solo estrangeiro. A proposta do projeto ZunZuneo era criar uma plataforma para os cubanos falarem livremente entre eles, ponto. Nos estágios iniciais, o serviço mandava notícias de tecnologia, resultados de partidas, clima e entretenimento para despertar interesse e atrair os cubanos. Depois disso, os cubanos conseguiram se comunicar entre eles, e estamos orgulhosos disso. A Usaid é uma agência de desenvolvimento e trabalhamos em todo o mundo para ajudar as pessoas a exercer seus direitos e liberdades universais.” 

Tudo o que sabemos sobre:

CubaEUAUSAID

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.