O que acontece nos EUA após a demissão do diretor do FBI
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O que acontece nos EUA após a demissão do diretor do FBI

Donald Trump deve escolher um novo nome para o cargo até o fim da semana; veja o que a decisão do mandatário provocou no país

Redação Internacional

10 Maio 2017 | 10h52

WASHINGTON – O presidente dos EUA, Donald Trump, demitiu na terça-feira 9 o diretor do FBI (Polícia Federal americana), James Comey. A mudança está causando uma grande repercussão em Washington e no mundo, já que ainda não se sabe ao certo os motivos que levaram o mandatário a tomar essa decisão e quais serão as implicações que isso terá nas investigações do Departamento de Justiça sobre a possível interferência da Rússia nas eleições americanas de 2016.

Veja abaixo que acontece após a demissão de Comey.

Essa é a primeira vez que um diretor do FBI é demitido desde 1993, quando o então presidente dos EUA, Bill Clinton, despediu William S. Sessions (Foto: AP Photo/Carolyn Kaster)

Essa é a primeira vez que um diretor do FBI é demitido desde 1993, quando o então presidente dos EUA, Bill Clinton, despediu William S. Sessions (Foto: AP Photo/Carolyn Kaster)

Casa Branca

Trump deve agora procurar um novo diretor para o FBI. O anúncio de um novo nome não deve ser feito nesta quarta-feira, 10, mas é provável que até o fim da semana a Polícia Federal dos EUA conte com um novo chefe.

Democratas e republicanos

Os democratas se uniram rapidamente para pedir que um promotor independente assuma a liderança das investigações sobre a possível interferência dos russos nas eleições americanas, expressando desconfiança no Departamento de Justiça. “A única maneira que o povo americano pode ter fé nesta investigação é se ela for liderada por um promotor especial independente e destemido”, disse o senador democrata Chuck Schumer.

Enquanto os parlamentares republicanos lidam com as consequências da demissão de Comey, ainda não foi divulgada uma mensagem unificada do partido. Alguns membros apoiaram a decisão de Trump e concordaram com a necessidade de um nome novo para a direção do FBI. Mas outros ainda estão hesitantes com relação ao assunto.

Investigação do Senado

Um grupo do Senado está conduzindo sua própria investigação sobre a possível interferência da Rússia nas eleições americanas, e lida com uma série de pedidos por um investigador independente, os quais foram, até agora, amplamente partidários. A demissão de Comey desanimou a política da comissão.

Mesmo depois da demissão, o grupo do Senado solicitou os registros de uma série de associados de Trump para analisar suas conexões com a Rússia. Funcionários ligados às investigações dizem que a comissão está pronta para emitir intimações com o objetivo de conseguir os documentos.

No FBI

Essa é a primeira vez que um diretor do FBI é demitido desde 1993, quando o então presidente dos EUA, Bill Clinton, despediu William S. Sessions por ele não conseguir mais “liderar de forma eficaz o escritório”. Até que o novo líder do departamento seja escolhido, o vice-diretor, Andrew G. McCabe, irá comandar o FBI, incluindo a investigação sobre os russos. Ainda que o diretor não esteja normalmente envolvido nas operações diárias do FBI nesse setor, o novo escolhido de Trump terá a habilidade de influenciar essa apuração, ao acrescentar ou remover recursos. / NYT