As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os erros de George W.Bush

Luiz Raatz

09 de novembro de 2010 | 18h21

A revista Foreign Policy publicou uma resenha sobre o livro de memórias do ex-presidente americano George W. Bush no qual critica duramente sua política externa entre 2001 e 2008.

No texto, a publicação diz que se o governo do democrata Barack Obama se parece ainda com o de Bush na política externa, é por conta do estrago feito no governo anterior.

Ainda de acordo com a revista, mesmo que o senso comum leve a uma certa nostalgia, a presidência de Bush foi ruim.

Como o livro de Bush é dividido em 14 capítulos, correspondentes a 14 decisões que ele tomou como presidente, a revista cita os 14 maiores erros na política externa do presidente. Veja alguns deles:

Ouvir os conselhos de Dick Cheney: Segundo a FP, a grande influência do vice de Bush sobre a política externa é a ‘mãe’ de todos os erros de sua administração.

Subestimar Bin Laden: ainda no começo de seu governo, a então assessora de Segurança Nacional de Bush, Condoleezza Rice, rebaixou o coordenador nacional de antiterrorismo, Richard Clarke, que havia alertado para a ameaça da Al-Qaeda

A retórica catastrófica: A revista critica ainda a declaração de guerra ‘ao terror’, que teria elevado Bin Laden ao status de herói antiamericano e o fato de ter colocado o Irã no ‘eixo do mal’ ainda em 2002, quando o moderado Mohamed Khatami ainda presidia o país e colaborava com informações sobre o Taleban, inimigo histórico dos xiitas.

a Guerra do Iraque: Tido como ‘um erro de magnitude tão colossal que seria fácil esquecer dos pequenos equívocos que levaram a ele’, a guerra buscava armas de destruição em massa que não existiam em nome de um vínculo também inexistente entre Saddam Hussein e a Al-Qaeda

Leia a íntegra aqui

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.