Os dirigentes mais jovens dos sistemas democráticos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os dirigentes mais jovens dos sistemas democráticos

Líderes da Hungria, Bélgica e Ucrânia, por exemplo, se destacam por terem assumido a presidência de seus países antes dos 40 anos

Redação Internacional

08 Maio 2017 | 10h59

O presidente francês eleito no domingo 7, Emmanuel Macron, tem 39 anos e se tornou um dos líderes mais jovens dentre as democracias do mundo. Conheça outros mandatários que assumiram o poder com pouca idade.

Imprensa francesa destacou nas manchetes dos jornais a juventude de Emmanuel Macron ao noticiar a vitória do centrista nas eleições presidenciais (Foto: AP Photo/Michel Euler)

Imprensa francesa destacou nas manchetes dos jornais a juventude de Emmanuel Macron ao noticiar a vitória do centrista nas eleições presidenciais (Foto: AP Photo/Michel Euler)

Estônia

O centrista Juri Ratas se tornou, com 38 anos, primeiro-ministro em novembro de 2016. Sucedeu outro jovem dirigente, Taavi Roivas, que assumiu o posto de chefe de governo aos 34 anos em 2014.

Hungria

Viktor Orbán assumiu o cargo de primeiro-ministro em 1998, com 35 anos. Perdeu o poder, mas voltou a conquistá-lo em 2010.

Bélgica

Charles Michel se tornou, em 2014, chefe de governo de seu país aos 38 anos.

Ucrânia

Volodimir Groisman tomou posse como primeiro-ministro em 2016, aos 38 anos.

Grécia

Alexis Tsipras foi nomeado primeiro-ministro em 2015, com 40 anos.

Tunísia

Youssef Chahed foi nomeado primeiro-ministro em 2016, com 40 anos.

Canadá

O primeiro-ministro Justin Trudeau chegou ao poder em 2015, aos 43 anos.

Polônia

Andrzej Duda se tornou presidente em 2015, aos 43 anos.

Equador

Rafael Correa foi eleito presidente em 2006, aos 43 anos.

Dentre ex-dirigentes, o italiano Matteo Renzi começou a conduzir o governo da Itália em 2014, com 39 anos, e permaneceu no cargo até 2016. No Reino Unido, David Cameron tinha 43 anos quando chegou a Downing Street em 2010; ficou até 2016. / AFP

Mais conteúdo sobre:

FrançaeleiçõesEmmanuel Macron