Os jovens que desafiam o monopólio estatal da informação em Cuba
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os jovens que desafiam o monopólio estatal da informação em Cuba

Formados pela Faculdade de Comunicação de Havana, onde também estudam os repórteres dos veículos estatais, nova geração de jornalistas da ilha comunista tem se aventurado a criar espaços para narrar perspectivas diferentes da divulgada pelo governo

Redação Internacional

27 de outubro de 2016 | 14h47

HAVANA – Eles se chamam Abraham, José e Elaine, não têm mais de 30 anos, mas conseguiram algo que por meio século era impensável em Cuba: criar sites de informação independentes que desafiam o monopólio estatal dos meios de comunicação.

E o fizeram aproveitando o acesso progressivo, embora restrito, à internet. Hoje há cerca de 200 pontos de conexão wi-fi na ilha de 11,2 milhões de habitantes, mas as tarifas são proibitivas (US$ 2 por uma hora de conexão) e poucos recebem autorização para ter internet em casa.

Ainda assim, esta modesta abertura criou uma brecha no panorama dos meios de comunicação cubanos.

O jornalista cubano Abraham Jimenez, diretor do site independente 'EL Estornudo', escreve a partir de sua residência em Havana (FOTO: AFP PHOTO / Yamil LAGE)

O jornalista cubano Abraham Jimenez, diretor do site independente ‘EL Estornudo’, escreve a partir de sua residência em Havana (FOTO: AFP PHOTO / Yamil LAGE)

O Comitê para a Proteção de Jornalistas (CPJ) calcula que cerca de 3 mil blogs e portais de informação sejam editados na ilha e em comunidades cubanas no exterior. Sites como El estornudo, Periodismo de Barrio, El Toque e OnCuba colorem a paisagem cibermidiática.

À frente deste movimento estão jornalistas que estudaram na Faculdade de Comunicação de Havana, onde também se formam os repórteres dos veículos estatais.

“Todos saímos das salas de aula da Universidade de Havana, e de algum modo ficamos sem casa, no sentido de que para nós a imprensa estatal não era uma opção”, declarou à Abraham Jiménez, de 27 anos, diretor do El estornudo.

Jiménez e seus colegas lançaram o portal em março. Como outros meios independentes, recorrem a fontes variadas de financiamento, apesar de que alguns destes jovens vendem o que podem para sobreviver mês a mês.

“Nós, que carecemos do apoio econômico do Estado, devemos buscar outras formas de gestão econômica”, diz Elaine Díaz, de 30 anos e diretora do Periodismo de Barrio. Os recursos podem vir da publicidade, do pagamento por conteúdo, de convênios de colaboração com outros meios e ONGs, ou de “financiamentos coletivos”, detalha.

Limbo jurídico. Alguns jornalistas também enviam seus artigos e fotos para que alguém no exterior os publique na web. Mas estes novos meios lutam, principalmente, para serem lidos.

“Provavelmente eu sou o único louco que vai a um wi-fi para publicar textos e ler jornais, porque todo mundo vai para falar com a mãe que foi embora (emigrou), com o irmão, para procurar um par de tênis, pedir que lhe mandem queratina (para alisar o cabelo)” , brinca Jiménez.

Como costuma ocorrer em Cuba, não há nenhuma estatística que reflita o impacto destes sites na população.

Com portais bem desenhados, fotos em todas as páginas, uma escrita esmerada e, mais do que notícias, reportagens aprofundadas, estes sites relatam sem floreios a vida cotidiana da ilha.

E diferentemente do site precursor, 14ymedio, criado em 2014 pela opositora Yoani Sánchez, e de outros como Diario de Cuba, na Espanha, ou Cubanet, em Miami, estes novos meios evitam a oposição frontal com as autoridades.

Apresentamos “pontos de vista muito honestos, surgidos de experiências de vida, que não costumam responder às visões ‘combativas’ dos extremos”, diz José Nieves, de 28 anos e coordenador editorial do El Toque.

Cubanos usam as redes Wi-Fi públicas disponíveis na capital Havana (FOTO: AFP PHOTO / ADALBERTO ROQUE)

Cubanos usam as redes Wi-Fi públicas disponíveis na capital Havana (FOTO: AFP PHOTO / ADALBERTO ROQUE)

Os portais abertamente opositores são bloqueados, mas propostas como El estornudo são toleradas, embora tenham de enfrentar a contra-ofensiva oficial.

O blogueiro Iroel Sánchez alertou recentemente no jornal estatal Granma sobre uma “prática jornalística tendenciosa, marcada pela superficialidade, a descontextualização e a inexatidão, que serve à guerra midiática e aos que aspiram a desmontar o socialismo no nosso país”.

Mas as mensagens também podem ser mais diretas, como a demissão de um repórter da rádio de Sagua la Grande (centro) que colaborou com meios independentes, ou a detenção por um dia da diretora do Periodismo de Barrio.

No início deste mês, Elaine foi presa devido à falta de uma autorização oficial para cobrir os estragos do furacão Matthew no extremo oeste da ilha. A lei só reconhece veículos estatais e estrangeiros credenciados, e estes novos meios se movem em um limbo jurídico.

Nós somos “o resultado da evolução nas plataformas tecnológicas para a comunicação de informação de interesse público, da formação universitária e de necessidades profissionais que não encontram espaço nos meios de comunicação existentes”, afirmou Elaine. / AFP

Mais conteúdo sobre:

Cubamídia independente