As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os principais candidatos à Presidência no Chile

Redação Internacional

14 de novembro de 2013 | 17h09

SANTIAGO – Os chilenos vão às urnas neste domingo para escolher o novo presidente do país em uma votação histórica com nove candidatos, em que a ex-presidente Michelle Bachelet (2006-2010) aparece como favorita, segundo pesquisas.

Veja abaixo breve descrição dos três candidatos mais bem colocados nas pesquisas eleitorais:

Michelle Bachelet (62 anos): Possui 47% dos votos, segundo as pesquisas

Pediatra, foi presidente do Chile entre 2006 e 2010. Liderou a ONU Mulher entre 2010 e 2013, cargo que deixou em março deste ano. É candidata pelo Partido Socialista, Partido Comunista e Partido pela Democracia. Foi ministra da Saúde e Defesa no governo do ex-presidente Ricardo Lagos.

Sua principal proposta consiste numa reforma tributária para arrecadar mais de US$ 8 bilhões, 3% do PIB, que destinaria em parte a uma profunda reforma do sistema educacional com foco na gratuidade e na melhoria da qualidade do ensino.

Evelyn Matthei (60 anos): Pesquisas apontam que ela tem 14% dos votos

A ex-ministra do atual governo surgiu como a única candidata da situação, depois que Pablo Longueira abandonou a disputa por motivos de saúde. Matthei, filha de um general de alta patente da ditadura de Augusto Pinochet, enfatizou que seu governo será de continuidade da atual gestão do conservador Sebastián Piñera. Ela vislumbra um maior crescimento da economia e a criação de 600 mil vagas de trabalho sob seu eventual mandato.

Franco Parisi (46 anos): Candidato tem 10% dos votos pelas pesquisas

Professor de Economia na Universidade do Chile, ficou conhecido ao participar de programas de televisão para explicar “a economia fácil”. Com mensagens desafiadoras aos grandes grupos econômicos do país, conquistou votos da direita questionando empresários por grandes escândalos financeiros e de abusos a consumidores. Parisi também não poupou a ex-presidente Bachelet, alegando que não cumpriu promessas feitas em seu governo.