Outros ataques a políticos britânicos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Outros ataques a políticos britânicos

Atentados, em sua maioria, estão ligados ao conflito com o Exército Republicano Irlandês (IRA)

Redação Internacional

16 Junho 2016 | 18h14

1979 – Airey Neave
Na época de confrontos mais violentos com a Irlanda do Norte, o deputados foi morto com uma bomba em seu carro, quando saía do Parlamento. O atentado foi reivindicado pelo Exército de Libertação Nacional da Irlanda.

1981 – Robert Bradford
Deputado pelo Partido Unionista do Ulster (UUP), o reverendo foi morto a tiros por um membro do Exército Republicano Irlandês (IRA) em um centro comunitário no sul de Belfast.

1983 – Edgar Graham
Também deputado do UPP, Graham foi assassinado enquanto conversava com um colega no câmpus da Queen’s University em Belfast, por um atirador do IRA.

1984 – Sir Anthony Berry
O deputado e mais quatro pessoas morreram em um atentado ao hotel que sediava a conferência do Partido Conservador. O alvo do IRA era a então primeira-ministra, Margaret Thatcher, mas ela conseguiu escapar.

1990 – Ian Gow
O deputado conservador morreu na porta de sua casa em Sussex, quando um membro do IRA colocou uma bomba em seu carro.

ENCO32 SÃO PAULO 09/11/08 G-20/REUNIÃO ECONOMIA Stephen Timms, secretário do Tesouro britânico, durante a coletiva sobre a reunião do G-20 financeiro, grupo integrado pela União Européia (UE), pelos membros do G-8 (os sete mais ricos, mais a Rússia), pela Austrália e por grandes emergentes como Brasil, Argentina, México, Coréia do Sul, China, Índia, Indonésia, Arábia Saudita, África do Sul e Turquia. A reunião servirá de preparação para um encontro entre os chefes de Estado dos países do G-20 no próximo dia 15, em Washington, nos EUA. FOTO PAULO LIEBERT/AE

O britânico Stephen Timms. Foto: Paulo Liebert/AE

2010 – Stephen Timms
Uma jovem, simpatizante da Al-Qaeda, esfaqueou duas vezes o deputado do Partido Trabalhista em Londres, mas ele sobreviveu. Roshanara Choudhry foi capturada e condenada à prisão perpétua. Ela atacou Timms por ter apoiado a guerra no Iraque.