Página da lista de Schindler datada de 1945 será leiloada
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Página da lista de Schindler datada de 1945 será leiloada

Documento lista 801 homens judeus que atuavam na fábrica de Oskar Schindler, industrial que salvou mais de 1,2 mil judeus durante Holocausto

Redação Internacional

09 de março de 2017 | 12h57

Uma das páginas originais das “listas de Schindler”, documentos usados pelo industrial alemão Oskar Schindler para salvar mais de 1,2 mil judeus durante o Holocausto, será leiloado. O relatório estava entre os que foram elaborados para proteger os trabalhadores judeus da deportação e da morte. Avaliadores esperam que a peça seja comprada por US$ 2,4 milhões, segundo informações do jornal britânico The Guardian.

No total, foram sete listas compiladas com a ajuda do contador de Schindler, Itzhak Stern. O documento em questão é parte da penúltima relação de nomes feita na época do Nazismo e data de 18 de abril de 1945. Ela lista 801 homens judeus que atuavam na fábrica de Schindler, depois de terem sido transportados dos campos de concentração nazistas localizados na Polônia – na época, ainda ocupada pelos alemães.

Parte da lista de Schindler que será leiloada (Foto: Divulgação / Moments in Time)

Parte da lista de Schindler que será leiloada (Foto: Divulgação / Moments in Time)

O site do antiquário Moments in Time, especializado em documentos históricos, descreve a peça como “extremamente rara e original”. Outras três partes das listas já foram encontradas: duas delas estão no Yad Vashem, memorial oficial do Holocausto, em Israel, e a outra, no museu americano do Holocausto, em Washington.

“Essa é uma oportunidade única na vida de adquirir um verdadeiro item de magnitude inacreditável”, disse à imprensa britânica Gary Zimet, diretor executivo da Moments in Time. Ele explicou que obteve o documento do sobrinho do braço direito de Schindler, Itzhak Stern.

A lista era usada para proteger os trabalhadores resgatados dos campos de concentração. Os que permaneciam no local, eram encaminhados para as câmaras de gás em Auschwitz. Schindler, que já havia usado propina para proteger os trabalhadores judeus em sua fábrica de esmaltes, convenceu o comandante Amon Göth a deixá-lo transportar seus funcionários para outro lugar quando mudou sua indústria de endereço, salvando inúmeros judeus.

Schindler gastou quase toda sua fortuna em propinas para proteger seus funcionários de morrerem nas câmaras de gás. Ele morreu em 1974 e se tornou o único ex-nazista a ser cremado do Monte Sião, em Jerusalém. Mais de 8 mil pessoas que ainda estão vivas hoje são descendentes dos judeus que foram salvos graças aos esforços de Schindler.

Tudo o que sabemos sobre:

AlemanhanazismoOskar Schindlerleilão