As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Perguntas e respostas: como funcionam os drones

Redação Internacional

13 de dezembro de 2013 | 15h12

Como os EUA usam os drones contra suspeitos de terrorismo?

Drones são aeronaves não tripuladas. São usadas tanto para vigilância quanto para assassinatos seletivos, que permitem ao Exército americano realizar operações sem colocar em risco seu pessoal. Há diversos tipos de drones. O MQ – 1B Predator é usado para o que os militares chamam de missões longas e de média altitude. Já o MQ – 9 Reaper é usado essencialmente em missões de bombardeio.

Os drones são controlados remotamente e têm sensores visuais que permitem uma operação com foco nos alvos. Os aviões carregam vários tipos de armas. O MQ-9 usa mísseis Hellfire guiados por laser.
Quantos ataques ocorreram e quantas pessoas morreram?

Segundo estimativa da New American Foundation, ONG americana que estuda o uso de drones, houve no Paquistão 369 ataques com drones desde que o programa começou em 2005, no governo de George W. Bush. Estima-se que esses ataques tenham matado entre 2 mil e 3,4 mil pessoas, dos quais aproximadamente 10% eram civis.

No Iêmen, a ONG registra desde 2010, 97 ataques, que mataram até 923 pessoas, das quais aproximadamente 10% eram civis também.
A estratégia é eficaz?

Apenas 2% dos mortos em ataques com drones eram alvos de alto nível, segundo levantamento independente do grupo Escritório de Jornalismo Investigativo Independente. Pesquisas feitas em universidades americanas independentes estimam que a política de ataques com drones tem graves efeitos colaterais, como traumas na população civis. Além disso, eles seriam ineficazes.

Outros países usam drones?

Mais de 70 países têm algum tipo de drone, mas poucos usam aviões não tripulados armados. Segundo a New American Foundation, apenas os EUA, China, Itália, Grã-Bretanha e Israel possuem drones armados. O Irã já apresentou um protótipo desses aviões.

Tudo o que sabemos sobre:

drones

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.