Por que o premiê irlandês vai aos EUA no dia de São Patrício?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que o premiê irlandês vai aos EUA no dia de São Patrício?

Luiz Raatz

18 de março de 2010 | 14h07

obama

O primeiro-ministro irlandês, Brian Cowen, não passou o dia 17 de março em Dublin, ou em qualquer outra cidade de seu país. Assim como muitos que o precederam, o premiê foi a Washington se reunir com o presidente Barack Obama e seu vice, Joseph Biden.

Segundo a revista Foreign Policy, a visita anual é uma tradição, ainda que não das mais velhas. Em 1937, Franklyn Delano Roosevelt fez um discurso no rádio para celebrar o dia do patrono da Irlanda, país do qual descendem muitos americanos. Em 1969, Richard Nixon recebeu o embaixador irlandês no dia de São Patrício na Casa Branca. 

Durante os anos 70 e 80, no auge do confronto entre católicos e protestantes na Irlanda do Norte, líderes de Dublin começaram a recorrer aos EUA. Em 1976, o primeiro-ministro Liam Cosgrave pediu a uma sessão conjunta do Congresso um esforço pela paz. Cinco anos mais tarde, o presidente Ronald Reagan almoçou na embaixada irlandesa no dia de São Patrício.

As visitas se tornaram fixas apenas durante o mandato de Bill Clinton, um presidente que se esforçou pessoalmente no acordo entre protestantes e católicos na Irlanda do Norte, o chamado pacto da sexta-feira Santa, em 1998. A primeira delas aconteceu em 1995, quando Clinton recebeu o premiê John Bruton, ao lado de Gerry Adams, do Sinn Fein, e o unionista Gary McMichael. 

Desde então, os primeiros-ministros irlandeses continuam aceitando os convites. Segundo o ‘Irish Times’, trata-se de uma rara oportunidade na qual o líder do país mais poderoso do mundo devota sua atenção a um dos menores países da Europa.

Foto: Charles Dharapak/AP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.