Por terra de antepassados, índios americanos dizem não a US$ 1 bi
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por terra de antepassados, índios americanos dizem não a US$ 1 bi

Luiz Raatz

09 de fevereiro de 2011 | 14h52

Já assistiram a Avatar? No filme dirigido por James Cameron, o Exército americano chega a um novo planeta, Pandora, em cujo subsolo há um mineral de grande riqueza. Para explorá-lo, os militares têm de expulsar os nativos Na’vi, humanoides azuis e gigantes, de uma área sagrada para eles.

A metáfora encontra um correspondente na própria história americana. Em 1874, o general George Custer descobriu ouro nas montanhas Black Hill, na Dakota do Sul, então território indígena dos Sioux . Três anos depois, uma sangrenta batalha foi travada entre os homens de Custer e os índios, comandados pelo cacique Touro Sentado. Após algumas vitórias, os indígenas foram derrotados em 1877. Um tratado foi assinado removendo-os de Black Hill para outras reservas.

Em 1970, o governo americano deu aos Sioux US$ 102 milhões pela tomada de Black Hill. Mais de 40 anos depois, com juros e correção monetária, o dinheiro soma US$ 1 bilhão, diz a revista Atlantic. De acordo com o advogado Mario Gonzalez, que representa os Sioux, o tratado de 1877 não é válido: não foi aceito por membros suficientes da tribo e a terra não estava à venda.

Embora alguns indígenas já cogitem aceitar o dinheiro, o advogado diz que os descendentes de Touro Sentado  devem lutar para ter sua terra de volta. “Dizemos a eles: ‘nossos antepassados derramaram muito sangue para que as gerações futuras tivessem um lar que incluísse Black Hill. Se a tribo aceitar o dinheiro, ele será gasto em três anos e os Sioux serão um povo derrotado e sem orgulho”, afirma.

O plano do defensor dos Sioux é propor ao governo Obama um acordo para dividir as terras com o governo. Instalações  como correios e o Monte Rushmore, ficariam sob jurisdição federal.

Os Sioux, espalhados por 17 reservas nas Dakotas do Norte e do Sul, Montana e Minnesota, enfrentam graves problemas socioeconômicos. Mais de 80% dos moradores da reserva de Pine Ridge, por exemplo, são desempregados. Quase metade dos índios com mais de 40 anos têm diabetes, e suas expectativas de vida são de 48 anos para homens e 52 para mulheres. Será que o final da história, como no filme de James Cameron, será feliz?

* Em tempo, para quem gosta de história americana e cinema, o filme Dança com Lobos, com Kevin Costner, trata da aproximação entre o homem branco e os índios.  ‘Enterrem Meu Coração na Curva do Rio’, filme produzido para a TV em 2007, fala especificamente da expulsão dos Sioux de seu território e pode ser encontrado em algumas locadoras. O filme é baseado no livro homônimo de Dee Brown.

Tudo o que sabemos sobre:

Barack Obama (EUA)EUASioux

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.