Propostas polêmicas do pré-candidato Trump sobre mexicanos chegam ao Oscar
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Propostas polêmicas do pré-candidato Trump sobre mexicanos chegam ao Oscar

Diretor mexicano que venceu com o filme 'O Regresso' fez discurso politizado sobre a importância do prêmio num momento em que se fala de preconceito contra migrantes

Redação Internacional

29 de fevereiro de 2016 | 12h31

A obsessão do pré-candidato republicano Donald Trump sobre a construção de um muro em toda a fronteira dos EUA com o México – tema recorrente da campanha do magnata – para barrar a entrada de imigrantes em território americano, foi além dos atritos entre os próprios pré-candidatos à Casa Branca e autoridades mexicanas e chegou ao Oscar.

Diretor mexicano Alejandro González-Iñarritu recebe Oscar - Foto: Kevin Winter/Getty Images/AFP

Diretor mexicano Alejandro González-Iñarritu recebe Oscar – Foto: Kevin Winter/Getty Images/AFP

Na noite do domingo 28, a Academia premiou o diretor mexicano Alejandro González-Iñárritu com o segundo Oscar consecutivo de melhor diretor, dessa vez pelo filme O Regresso. Em seu discurso de agradecimento, Iñarritu fez questão de politizar a fala e afirmou ser um privilégio receber esse prêmio em um universo “onde ainda se julga muito pela cor da pele”. “Essa geração tem o privilégio de poder acabar com os preconceitos.”

Após o anúncio, o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, fez questão de exaltar o diretor. “Muitas felicidades Alejandro González-Iñarritu por outro Oscar de melhor diretor. Você é um orgulho para seu país”.

Violência. Outra autoridade política presente na 68.ª festa do Oscar foi o vice-presidente americano, Joe Biden. O Ele foi o encarregado de chamar Lady Gaga ao palco da cerimônia para cantar o tema do documentário “The Hunting Ground”, que mostra casos de agressões e abusos sexuais em universidades americanas.

“Apesar do significativo progresso dos últimos anos, muitas mulheres e homens dentro e fora dos campus (universitários) são vítimas de abuso sexual, afirmou Biden, pedindo que as pessoas se unissem a ele e ao presidente Barack Obama na luta contra o crime. “Nós devemos e podemos mudar a cultura para que nenhum homem e nenhuma mulher que tenham sido abusados, como os sobreviventes que vocês estão vendo essa noite, tenha que se perguntar outra vez ‘o que eu fiz?’. Vocês não fizeram nada de errado.” /NYT e AFP

Tendências: