As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Relatório sobre CIA atinge ‘A Hora Mais Escura’

Filme de Kathryn Bigelow mostra os bastidores da operação secreta que levou ao assassinato de Osama bin Laden no Paquistão

Redação Internacional

10 de dezembro de 2014 | 17h25

A divulgação de um relatório da Comissão de Inteligência do Senado dos EUA sobre uso de tortura para obtenção de informações de prisioneiros no combate ao terrorismo após os ataques de 11 de Setembro deixou muita gente descontente e fez também alguns danos colaterais. Um dos mais notórios foi o filme A Hora Mais Escura, de Kathryn Bigelow, sobre os bastidores da operação secreta que levou ao assassinato de Osama bin Laden no Paquistão.

Lançado no fim de 2012, o filme teve roteiro escrito pelo jornalista Mark Boal a partir de informações obtidas junto a fontes de inteligência e do governo de George W. Bush. Segundo o ponto de vista adotado por Boal, de uma agente de inteligência interpretada por Jessica Chestain, a tortura foi aplicada em um prisioneiro que entrega o ajudante de Bin Laden e posteriormente leva uma equipe de agentes até o Paquistão.

Nos EUA, A Hora Mais Escura foi duramente criticado por supostamente defender a ideia de que a tortura foi instrumento fundamental para levar a revelações sobre a identidade de Zarqawi e seu paradeiro, o que em consequência levaria à localização de Bin Laden em um complexo na cidade paquistanesa de Abotabad. Favorito na premiação do Oscar, levou apenas o prêmio de melhor edição de som.

Questionada sobre o relatório no talk-show The Daily Show, na terça-feira, a diretora disse que “fez o filme com base em reportagem feita pela equipe”. Ela aplaudiu o relatório da Comissão de Inteligência do Senado e acrescentou também que é um assunto “muito, muito complicado”. / COM AP

Mais conteúdo sobre:

CIAEUA