As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Retórica agressiva

Desde o início da crise na fronteira entre Colômbia e Venezuela, presidentes trocam acusações

Redação Internacional

10 Setembro 2015 | 14h30

(Atualizada dia 21/09) Desde o início do conflito na fronteira entre Venezuela e Colômbia, os presidentes dos dois países, Nicolás Maduro e Juan Manuel Santos, trocam acusações. Nesta segunda-feira, 21, ocorrerá o primeiro encontro eles, mediado pelo governo equatoriano, para tentar acabar com a crise.

Conheça algumas frases ditas pelos líderes desde o mês passado:

Nicolás Maduro:

“Acredito que o senhor (Santos) cometeu um erro muito grave que é desrespeitar o presidente da Venezuela, mas mesmo assim, apesar de suas ofensas, eu como presidente da Venezuela estou obrigado a falar com o senhor e a resolver pela via do diálogo estes assuntos.”

“O presidente Santos emitiu hoje as piores ofensas contra a história da Venezuela, contra a revolução constitucional, legitima e popular bolivariana da Venezuela, contra o presidente da Venezuela, contra o povo da Venezuela, que jamais se tinha emitido da boca de um presidente da República da Colômbia em toda a história, em 200 anos.”

“Por que eles vêm para a Venezuela? Porque aqui há trabalho, há saúde pública, há educação pública, há a missão alimentação, há solidariedade e pátria de verdade, não governa a oligarquia colombiana.”

“A Colômbia tornou-se uma exportadora de pobres que fogem da miséria, fogem da guerra e dos esquartejadores paramilitares de Álvaro Uribe Vélez (ex-presidente colombiano).”

“Há uma perturbação total da vida na fronteira que deve ter atenção de ambos os governos. Por isso, instruí a chanceler (venezuelana) Delcy Rodríguez para coordenar de maneira imediata uma reunião com a chancelaria colombiana.”

“Isso (o fechamento da fronteira) é uma medida soberana do governo venezuelano para bloquear as pontes e possíveis passagens de delinquentes para o território venezuelano.”

Juan Manuel Santos:

“A revolução bolivariana da Venezuela está se autodestruindo.”

“O fechamento da fronteira com a Venezuela não é culpa da Colômbia. E a cada dia está mais claro que obedece a outros interesses.”

“O mundo inteiro sabe que a escassez dos produtos na Venezuela se deve a uma política econômica que fracassou miseravelmente. A situação não tem nada a ver com a Colômbia, nem com os colombianos.”

“Privilegiei o diálogo e a diplomacia, o que continuarei fazendo. Mas não posso permitir que a Venezuela trate os colombianos e o governo colombiano dessa forma.”

“Queremos contar ao mundo, começando com a Unasul, o que está acontecendo. Mostrar que o que está ocorrendo é totalmente inaceitável.”

“Bem-vindos à sua pátria. Aqui, sim, os queremos. Aqui, sim, os acolhemos. Vocês não são deportados. São colombianos.”

“Invadir domicílios, tirar moradores à força, separar famílias, não deixar que retirem seus poucos bens e marcar suas casas para logo depois demoli-las são procedimentos totalmente inaceitáveis e recordam episódios amargos da humanidade que não podem se repetir.”