Segundo e-mail, Hillary teria se incomodado por furacão Sandy ter estragado suas férias
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Segundo e-mail, Hillary teria se incomodado por furacão Sandy ter estragado suas férias

Correspondência integra último pacote publicado de e-mails da pré-candidata democrata durante seu período como secretária de Estado dos EUA

Redação Internacional

01 de março de 2016 | 09h35

WASHINGTON – Um dos e-mails de Hillary Clinton divulgados na segunda-feira, relativos a seu período como secretária de Estado dos EUA, mostrou seu incômodo com o fato de o furacão Sandy, que atingiu a costa leste do país em 2013, ter estragado suas férias. “Tenho muito azar quando tento tirar férias. Deus não quer que eu relaxe!”, escreveu Hillary a seus colaboradores mais próximos em uma série de e-mails que alertavam sobre a força da tempestade.

O furacão Sandy atingiu o litoral de Nova York e New Jersey em 29 de outubro de 2012, forçando milhares de pessoas a saírem de suas casas, e deixou um total de 147 mortos e US$ 50 bilhões em danos materiais.

Após a tempestade, a então secretária de Estado perdeu o serviço de conexão com a internet através do servidor de sua casa em Nova York durante duas semanas.

Entre os e-mails divulgados, também se destaca uma correspondência entre Hillary e um de seus colaboradores de maior confiança, Sydney Blumenthal, na qual os dois discutem sobre o debate aberto dentro do Partido Democrata, em 2010, sobre a gestão presidencial de Barack Obama.

Muito próximo há décadas do casal Clinton e assessor da democrata em sua campanha nas primárias presidenciais de 2008, Blumenthal lhe enviou um artigo publicado no jornal The Huffington Post que abordava o desencantamento público de alguns doadores democratas com Obama, o qual havia sido rival de Hillary para a indicação do partido.

Ele também citou a então presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, que dizia que quando ia à Casa Branca tinha a sensação de estar lidando com “o senador júnior por Illinois”, cargo que Obama ocupou antes da presidência. “Preocupante, desnecessário e lamentável que estejamos nesta confusão”, respondeu Hillary à informação proporcionada por seu colaborador. E ele insistiu: “Não é uma piada. Fale quando puder”.

O Departamento de Estado publicou na segunda-feira o último pacote de e-mails de Hillary Clinton durante sua etapa como titular das Relações Exteriores, encerrando um longo processo de escrutínio público sobre a candidata democrata à presidência. A entrega aconteceu às 18h locais (20h de Brasília), na véspera da chamada Superterça, quando acontecerão as prévias republicanas e democratas em 12 estados.

Ao longo do processo das primárias, Hillary tentou se distanciar da controvérsia causada por sua decisão de usar uma conta de e-mail particular para assuntos de interesse nacional enquanto era secretária de Estado.

Mas a publicação mensal de centenas de páginas de seus e-mails por parte do Departamento de Estado, que responde à ordem do juiz federal Rudolph Contreras, impediu que a pré-candidata deixasse a polêmica totalmente para trás, mesmo após seu rival na corrida democrata, o senador Bernie Sanders, se recusar a atacá-la em relação ao tema.

O último pacote de e-mails contém 3.800 páginas de correspondências e não inclui nenhuma mensagem classificada como “ultrassecreta”.

Entre os e-mails divulgados também havia um relacionado à Coreia do Norte, o qual as agências de inteligência recomendaram classificar como “ultrassecreto”, e que finalmente foi publicado com muitas partes censuradas sob o título de “secreto”, uma categoria inferior.

A polêmica desses e-mails teve início em 2015, quando os meios de comunicação americanos revelaram que Hillary usou o tempo todo, durante seus quatro anos no Departamento de Estado, uma conta particular para suas correspondências com um servidor privado. /EFE

pesquisa

Leia mais:

Bill Clinton busca apoio para Hillary no Texas antes da Superterça

Com favoritismo de Trump, partido chega à Superterça em crise existencial

Trump e Hillary ampliam vantagem um dia antes da Superterça